domingo, 22 de janeiro de 2017

2016: na hora do balanço (V) - os principais eventos (2ª parte)

4.Provas de Vinhos (e Sabores)
Com excepção do EVS, todos os outros eventos serão referidos por ordem cronológica:
.Encontro de Vinhos e Sabores
Organizado pela Revista de Vinhos, o EVS 2016 foi, uma vez mais, o evento vínico do ano.
.Colares à Mesa (prova de vinhos Colares, seguida de almoço em Seteais)
.Quintas de Melgaço (apresentação de vinhos QM no Solar dos Presuntos)
.Rui Reboredo Madeira (prova de vinhos no Altis Belém)
.Confraria do Periquita (apresentação da nova colheita e jantar na José Maria da Fonseca)
.Parceiros na Criação (prova de vinhos h'OUR no Hotel Torel Palace)
.Qtª de Lemos (apresentação das novas colheitas no Ibo Café)
.Lavradores de Feitoria (apresentação de novidades no Porto Bay Marquês)
.On Wine (prova de vinhos no Myriad Lisboa)
.Santos & Seixo (apresentação dos Rotas de Portugal no Palácio do Governador)
.Azeites e Vinhos do Alentejo (prova alargada no CCB)
.Decante Vinhos (apresentação das novidades deste distribuidor no Ritz)
.Lavradores de Feitoria (vertical de brancos e tintos Meruge, seguida de almoço na Taberna Flores)
5.Enoturismo no Dão, com a Maria João Almeida
.Paço dos Cunhas de Santar (provas e almoço)
.Casa da Insua (provas e jantar)
.Casa da Passarella (provas)
.Qtª Madre de Água (jantar)
.Qtª de Lemos (almoço)
6.Peixe em Lisboa
Degustação na cozinha do Ritz Four Seasons e nas bancas dos chefes José Avillez e Bertílio Gomes, com a companhia dos vinhos da José Maria da Fonseca.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

2016 : na hora do balanço (V) - os principais eventos (1ª parte)

A crónica de hoje e a próxima são dedicadas aos principais eventos em que participei no decorrer do ano passado. O ano 2016 foi pródigo em actividades vínicas, pelo que optei em desdobrar este tema em 2 partes, ao contrário do que fiz em balanços anteriores. Mais, incluirei um link para as crónicas que podem despertar algum interesse e curiosidade por parte dos seguidores deste blogue.
1.Sessões com Vinhos da Madeira e outros fortificados
a.Com o núcleo duro dos Madeiras
.23ª sessão, com vinhos da minha garrafeira (na Enoteca de Belém)
.24ª sessão, com vinhos do João Quintela (na Casa do Bacalhau)
.25ª sessão, com vinhos do José Rosa (na Casa da Dízima)
b.Com outras composições
.Barbeito, Blandy's e Borges, prova e jantar organizados pela Garrafeira Néctar das Avenidas (na Casa do Bacalhau)
.Um grupo de amigos, com vinhos do enófilo Paulo Bento (na casa da Dízima)
2.Eventos vínicos organizados pela Garrafeira Néctar das Avenidas
.Qtª da Casa Amarela, com a Laura Regueiro (no Sem Dúvida)
.Monte dos Cabaços, com a Margarida Cabaço (no Via Graça)
.Malhadinha e CARM, com Filipa Silva, Celso Madeira e João Paulo Reboredo (no Faz Gostos)
.Bairradão (2ª edição), com 30 produtores do Dão e Bairrada, seguido de jantar com o Osvaldo Amado (no Hotel Real Palácio)
.Soalheiro, com o Luis Cerdeira (Via Graça)
.Maritávora, com o Manuel Gomes Mota e o Jorge Serôdio Borges (na Casa da Dízima)
.Qtª Mendes Pereira e Porto Krohn, com Raquel Mendes Pereira e João Alves (no Lisboète)
.Qtª do Vallado, com o Francisco Ferreira (no Bagos Chiado)
.Qtª das Bageiras, com o Mário Sérgio Nuno no 5º aniversário da garrafeira (na Casa do Bacalhau)
.Sandra e Susana, com a Sandra Tavares da Silva e a Susana Esteban (na Casa da Dízima)
3.Vertical de Barca Velha (1965, 1982, 1985, 1991 e 2000) com Manuel Guedes e Luis Sotto Mayor, seguida de jantar (na Sandeman Chiado), um evento excepcional e irrepetível exclusivo para sócios do Clube Reserva 1500.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

2016 : na hora do balanço (IV) - TOP 10 espaços de restauração

Regressando ao balanço de 2016, a crónica de hoje é dedicada à selecção dos espaços de restauração que frequentei durante o ano passado (e foram largas dezenas), tendo em conta a componente gastronómica, o serviço em geral, o ambiente e, fundamentalmente, a componenete vínica (carta de vinhos, preços, oferta a copo, temperaturas, copos e o serviço do mesmo).
A ordem é alfabética, mas dentro de cada patamar, estando os 3 primeiros espaços de restauração ao nível da excelência e os restantes 7 a terem um serviço muito bom. E eles são:
.Casa da Dízima
.Enoteca de Belém
.Mesa de Lemos *
.Bagos Chiado *
.By the Wine *
.Casa do Bacalhau/Via Graça
.Great Tastings *
.Lisboète
.Sabores de Itália
.Wine Cellar by Grapes *
Os espaços assinalados com * entram neste TOP pela 1ª vez.
Não foram incluídos, mas também têem uma componente vínica de qualidade o Bistrô4, Corte Inglês (restaurante principal), deCastro Flores, Descobre, Dom Joaquim, Faz Gostos, Guarda Real, Rabo d'Pêxe, Sandeman Chiado, São Rosas, Sem Dúvida, Trio e Wine Not?.
Aproveito para acrescentar a minha votação para o blogue Mesa Marcada, de cujo júri (este ano com 147 votantes) faço parte desde 2011. Entre parêntesis coloco a classificação final do painel.
1.Sabores d' Itália (76º)
2.Casa da Dízima (83º)
3.Bagos Chiado (51º)
4.Mesa de Lemos (20º)
5.Qtª Madre de Água (113º)
6.Lisboète (119º)
7.Enoteca de Belém (130º)
8.Descobre (142º)
9.Casa do Bacalhau (161º)
10.Great Tastings (177º)
De referir que apenas os 4 primeiros tiveram algum significado no cômputo geral, enquanto que nos 6 restantes só conseguiram o meu voto. A esmagadora maioria dos votantes concentrou os seus votos nos restaurantes estrelados e/ou nos mais badalados. Já propus aos organizadores que criassem uma categoria de espaços de restauração mais acessíveis (máximo 40/50 € por pessoa, por exemplo), para possibilitar aos restaurantes menos badalados um lugar ao sol. Mas, até agora, sem êxito.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Novos espaços : Time Out Bar, Delidelux e Estado de Alma

1.TO (Time Out) Bar
Abriu recentemente no Mercado da Ribeira, sendo notícia de relevo na Time Out com a programação de 21 a 27 de Dezembro, onde se podia ler com destaque "Bares há muitos, mas como este não havia nenhum(...)". Pois...
Eu devo ser um dos lisboetas que mais frequentou e escreveu sobre o Mercado da Ribeira, desde abriu nestes moldes, de modo que estou à vontade para o elogiar, mas também para o criticar, sempre que seja caso disso.
O TO Bar tem um balcão próprio que facilita um espaço sentado quando é praticamente impossível encontrar um lugar vago nas mesas centrais. Basta trazer o tabuleiro com comida e pagar ao TO a bebida que se pedir (vinho, cerveja ou cocktail).
Quanto a vinhos, o TO tem máquinas Enomatic (?), com capacidade para 12 garrafas. Só que quando lá estive na última vez (dia 7 de Janeiro), 2 garrafas estavam em duplicado e outra vazia! Mais grave, não existe um preçário no TO Bar, apesar de eu ter feito uma reclamação nesse sentido, uma semana antes. Os empregados têm que verbalizar os preços (aliás caríssimos) de cada um dos vinhos a copo. Não se entende de todo, até porque a Time Out deveria dar o exemplo.
Nesta última visita, optei por um copo do Vertente 2014 (6 €, uma exorbitância!) - aroma discreto, alguma fruta e acidez, algo rústico, volume e final de boca médios. Nota 15,5.
O vinho foi previamente dado a provar num copo aceitável e servido a olho. Segundo me afirmaram estava a 16º, embora me parecesse que estava a mais. Acompanhou pastéis de bacalhau (francamente melhores do que uns provados há algum tempo) e leitão no caco (belíssimo).
Quando fui ao WC, constatei haver urinóis entupidos, torneiras e secadores de mãos que não funcionavam. Não é só facturar, senhores da Time Out!
2.Delidelux
Já está a funcionar a loja (mercearia, charcutaria e cafetaria) da Avenida (R. Alexandre Herculano,15A, aberta todos os dias). Embora com uma área reduzida, pareceu-me mais vocacionada para serviço de cafetaria do que como garrafeira). A ver com mais atenção.
3.Estado de Alma
Abriu na passada 6ª feira a sua 3ª garrafeira, esta no CCB, exactamente no espaço onde viveu a Coisas do Arco do Vinho durante 20 anos. Uma grande responsabilidade para a Estado de Alma, para a qual desejo os maiores êxitos.

sábado, 14 de janeiro de 2017

O 10º aniversário da revista Paixão pelo Vinho e a Blogosfera

Hoje à noite, no Casino Figueira (na Figueira da Foz), vai decorrer uma grande gala para comemorar o 10º aniversário da revista Paixão pelo Vinho, cujos directores, a Maria Helena Duarte e o André Magalhães (o da Taberna das Flores), estão de parabéns.
Já se conhecem os nomeados para as 20 categorias escolhidas no mundo do vinho (enólogos, produtores, escanções, chefes, regiões vitivinícolas, enoturismo, críticos e blogues), mas os vencedores só no decorrer do jantar-cerimónia.
Quanto à blogosfera que não foi esquecida, o que se aplaude, os nomeados são, por ordem alfabética:
.avinhar
.bebes.comes
.clube de vinhos portugueses
.contra rótulo
.copo de 3
.enófilo militante
.joli
.os vinhos
.pingas no copo
.vinho do porto vintage
A lista é quase coincidente com a do Aníbal Coutinho, apenas com duas diferenças. Saíu o "comer beber lazer", cujo responsável faz parte da equipa da revista, e o "vinho em folha", entrando o "copo de 3", injustamente não incluído nos nomeados para os prémios W 2016, e o "vinho do porto vintage".
E, como estamos numa de prémios, já se conhecem os escolhidos pelo Aníbal Coutinho, tendo saído vencedor na categoria blogues, o "avinhar". Os meus parabéns ao Luis Gradíssimo.
Mais prémios ainda estão para vir, os da Mesa Marcada (16 de Janeiro), da Essência do Vinho (27 de Janeiro) e os da Revista de Vinhos (Fevereiro). Uhf!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

2016 : na hora do balanço (III) - TOP 10 Fortificados

Depois do balanço dos melhores vinhos brancos e tintos, provados/bebidos ao longo do ano passado, hoje é a vez dos fortificados (Porto, Madeira e Moscatel), seguindo a metodologia anterior. E eles são:
.Krohn Colheita 1976, classificado com 19
.Artur Barros e Sousa Boal Reserva Velha, com 18,5+
.Artur Barros e Sousa Boal 1958, com a mesma nota
.Blandy's Bual 1977, idem
.Qtª da Devesa + de 40 Anos (a surpresa do ano), idem
.Taylor's Vintage 1994, com 18,5
.Moscatel Alambre 20 Anos (com uma imbatível relação preço/qualidade), idem
.Blandy's Terrantez 20 Anos, idem
.Borges Verdelho 20 Anos, idem
.Dalva Colheita 1985, idem
Não foram incluídos, por já constarem em balanços anteriores:
.Blandy's Terrantez 1977, com 19
.Borges Sercial 1979, com a mesma nota
.FMA Bual 1964, idem
.Artur Barros e Sousa Moscatel Velho 1963, com 18,5+
.Blandy's Verdelho 1979, idem
.Blandy's Sercial 1966, com 18,5
.Moscatel Secret Spot 40 Anos, idem
Também não constam no TOP, por estarem fora dos circuitos comerciais:
.Henriques & Henriques Sercial Solera 1898, com 19
.JPL Boal 1880, também com 19
.Artur Barros e Sousa Moscatel Velho 1890, com 18,5+
.JBF Bual 1900, com a mesma nota
De destacar:
.No TOP 10, 5 eleitos são Madeira, 4 Porto e 1 Moscatel
.Se incluirmos os 21 fortificados, 15 são Madeira, 4 Porto e 2 Moscatel
.Nos Madeiras, a casta Bual foi a mais apreciada com 6 referências, seguida da Sercial com 3, Terrantez, Verdelho e Moscatel com 2
A próxima crónica será dedicada aos espaços de restauração do ano.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

2016 : na hora do balanço (II) - TOP 10 Tintos

Continuando o balanço de 2016, hoje é a hora dos tintos provados/bebidos, no decorrer do ano transacto, melhor classificados (mínimo 18,5). A metodologia aplicada é a mesma dos brancos. E eles são:
.Barca Velha 1991 e 2008 (Douro), ambos com 19
.Legado 2008 (Douro), também com 19
.Antónia Adelaide Ferreira (Douro), com 18,5+
.Pai Abel 2011 (Bairrada), também com 18,5+
.Qtª de Lemos Dona Georgina 2011 (Dão), com 18,5 (a mesma nota dos restantes tintos)
.Dona Maria Grande Reserva 2010 (Alentejo)
.Grandes Quintas Vinha do Cerval 2011 (Douro)
.Qtª do Portal Grande Reserva 2011 (Douro)
.Qtª do Vale Meão 2010 (Douro)
.Qtª do Vallado Reserva 2008 (Douro)
Não estão, mas podiam estar, pois tiveram a mesma classificação dos 6 últimos:
.Barca Velha 2000 (Douro)
.Qtª da Romaneira 2004 (Douro)
.Kompassus Private Seleccion 2005 (Bairrada)
.Qtª do Mouro Rótulo Dourado 2007 (Alentejo)
.Ferreira Reserva Especial 2007 (Douro) já constava no balanço de 2015
.Qtª do Vallado Touriga Nacional 2008
.Legado 2009 (Douro)
.Qtª do Crasto Vinhas Velhas 2011 (Douro)
De salientar:
.A contribuição da Casa Ferreira com 7 vinhos de excelência
.A Região Douro com 14
.As colheitas de 2008 e 2011 com 5 vinhos cada
A próxima crónica será dedicada aos vinhos fortificados (Porto, Madeira e Moscatel).