domingo, 15 de agosto de 2010

Fisiologia do Gosto, de Brillat-Savarin (II)

Completando a abordagem a este delicioso livro, passo a transcrever algumas afirmações sobre a gastronomia em geral e os gastrónomos.
. (...) A gastronomia é a preferência apaixonada, racional e habitual por todos os objectos que agradam ao paladar. A gastronomia é inimiga do excesso; qualquer homem que tenha uma indigestão ou que se embebede, corre o risco de ser excluido da classe dos gastrónomos (...) (p 107).
. (...) Uma série de observações exactas e rigorosas demonstrou que um regime suculento, delicado e cuidadoso, retarda por muito tempo as aparências exteriores da velhice (...) (p 109).
. (...) É também a gastronomia que motiva os esforços que qualquer anfitrião deve fazer para receber bem os seus convidados, assim como o reconhecimento destes, quando percebem que se preocuparam em servi-los bem. É aqui o local apropriado para amaldiçoar para sempre esses estúpidos comilões que devoram com a maior indiferença as iguarias mais requintadas, ou que despejam goela abaixo, com uma distracção sacrílega, um néctar límpido e odorífero (...) (p 110)
. (...) as mesas fartas estão longe de prejudicar a saúde, e em igualdade de circunstâncias, os gastrónomos vivem mais tempo do que os outros (...) (p 117).
Apoiado, digo eu !

Sem comentários:

Enviar um comentário