sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Núcleo Duro (60ª Prova) e uma história de amor

Contrariamente ao habitual, a prova do Núcleo Duro (N.D.), que foi também um encontro de Natal, com distribuição de prendas e tudo o mais, decorreu ao longo de um excelente almoço, mas desta vez num "restaurante" muito especial, a casa do Pedro Brandão (um dos elementos do N. D.) e da noiva, Ana Carolina Almeida. O almoço foi uma oferta do simpático casal e nós, os restantes componentes do N.D., tivémos o privilégio de termos sido dos primeiros a tomar conhecimento do seu casamento, com data marcada para o 1º trimestre de 2011. Num original folheto que nos foi distribuido, pode ler-se "(...) Pedro : Sou um sortudo em ter alguém como a Ana ao meu lado (...)" e "(...) Ana : Já não sei viver de outra maneira que não seja com a paz que ele me dá." Enfim, uma bela história de amor do domínio privado!
Mas esta história de amor fez-me lembrar uma outra, essa do domínio público. É a história do José Saramago e da Pilar, a sua última mulher. O amor entre um homem taciturno, mas excelente escritor e uma mulher que é uma força da natureza. Trata-se de uma brilhante longa metragem, "José e Pilar" realizada por Miguel Gonçalves Mendes, com a duração de cerca de 2 horas que passam a correr. Pode ser vista na sala 4 do Corte Inglês. Imperdível!
Mas vamos à prova. Os vinhos da responsabilidade do Pedro eram 8 (4 brancos e 4 tintos). Só que em ambas as séries havia 1 joker, precisamente os vinhos escolhidos para o chamado copo d'água, os Castelo d'Alba branco e tinto, de uma relação preço/qualidade praticamente imbatível. Se o tinto não me enganou, o branco sim. De qualquer modo, as escolhas do Pedro ficaram aprovadas. As classificações a seguir anotadas são pessoais, nem todas coincidentes com o painel (ver, oportunamente, a continuação desta crónica).

Sem comentários:

Enviar um comentário