terça-feira, 29 de junho de 2010

Vinhos em família

Notas e algumas apreciações telegráficas de vinhos provados em 2 ou 3 situações de convívio familiar :
. Blandy Verdelho 77 (eng. em 2004), um bom exemplar desta casta, embora tivesse já provado melhor noutro engarrafamento (nota 17,5+ ; noutras situações 18,5/17,5+/17).
. Projectos Niepoort Riesling 07, aroma contido, austero, boa acidez, final curto (nota 15,5 ; noutra 16,5).
. Qtª Bageiras Garrafeira 95 1º Prémio, no pico da forma a iniciar a fase descendente, ainda com muita côr, excelente acidez, taninos presentes algo rugosos, rústico, final longo (nota 17,5).
. Grandjó Late Harvest 05, aroma discreto, gordo na boca, acidez abaixo do esperado (nota 16,5+ ; noutras 16,5/18/16,5+/16,5/17).
. Passadouro 09 Branco, frutado, agradável, equilibrado, mas sem nada que o notabilize (nota 15,5)
. Qtª Vale D. Maria 01, mantém-se em forma e atractivo, sem grandes oscilações em relação a provas anteriores (nota 17,5 ; noutras 18/17,5/17,5).
. Blandy Bual 64 (eng. em 2004), muito fechado a precisar de tempo para se libertar, notas de iodo e frutos secos, vinagrinho, final longo, abaixo de outras garrafas provadas anteriormente (nota 18 ; noutras 19/19,5/18+)
. Espumante Kompassus, fresco, bolha fina, óptimo para aperitivo, boa relação preço/qualidade (nota 16).
. Muros Antigos Alvarinho 09, muito fresco e tropical, é difícil não gostar (nota 16+).
. Qtª Crasto Vinhas Velhas 01, a grande surpresa destas jornadas caseiras, é o tinto com esta idade que mais juventude aparenta ter, côr ainda carregada, complexidade aromática, boa estrutura de boca, final longo, o que mais se pode exigir? A beber nos próximos 5 anos (nota 18,5 com entrada no meu Quadro de Honra).

domingo, 27 de junho de 2010

Almoço na Tasca do Joel Restaurante

Este badalado restaurante que tem agregada uma loja gourmet, fica em Peniche bem perto do Cabo Carvoeiro. Vale a pena a visita, mas convém evitar o fim de semana, nomeadamente o Domingo que é uma autêntica romaria.Com uma agradável cozinha, tradicional e caseira, sem grandes rasgos gastronómicos, vale sobretudo pela esmagadora carta de vinhos que também podem ser comprados na loja do lado. Muito completa (mais ou menos 1100 referências, segundo o dono), bem seleccionada e com preços de arrasar, é imbatível. Mais ainda, tem bons copos, um serviço correcto, temperaturas adequadas e uma série de vinhos a copo. Um pormenor para se perceber que não brincam em serviço, as garrafas têm um autocolante com a data da respectiva abertura. Bebi 1 copo de Redoma 06, um Douro personalizado mas não muito entusiasmante (nota 16).
Única nota negativa, o ambiente não ajuda á concentração necessária a uma boa degustação (salas barulhentas, televisão ligada,...).
Em conclusão é obrigatório conhecer, de preferência de 3ª a 6ª feira.Procurem ficar numa mesa servida pelo Jorge Silva, um profissional eficiente e simpático (nem sempre é fácil juntar as duas componentes).

Almoço no mãe d' água

Fica em Sobral do Parelhão, Carvalhal, quase em frente da Quinta de Loridos, cuja equipa mo recomendou vivamente. Moderno, muito bem decorado, mas algo pretensioso. Cozinha a precisar de rever conceitos e ementas. Já estamos no verão, mas no mãe d' água servem pratos de inverno, bem pesados. Serviço simpático e eficiente. Lista de vinhos toda datada, pouco extensa e muito centrada em Lisboa (Estremadura), com algumas boas incursões noutras regiões. Copos aceitáveis. Os tintos são servidos à temperatura ambiente. Um crime! Ó senhor Comendador, não podia dar uma mãozinha? Está aí tão perto...

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Lançamento do Roquete & Cazes 2006

Ontem à noite participei no jantar de lançamento do Roquete & Cazes 2006, no espaço do restaurante Clara Chiado.Estavam presentes os produtores, a Direct Wine, distribuidora deste vinho (2ª marca do Xisto) e dezenas de convidados, que ocuparam as duas salas do restaurante. Embora ligadas entre si, era evidente a separação física dos participantes, como se houvesse participantes de 1ª e de 2ª, o que não foi muito simpático por parte da organização.
Quanto ao jantar propriamente dito, a ementa tinha qualidade mas sem grandes rasgos.O serviço de vinhos e respectivas temperaturas foram as correctas,mas os copos nem por isso. A rever numa próxima ocasião.
Quanto à estrela da noite, o Roquete & Cazes 06, apareceu muito ao gosto internacional, frutado, algo especiado, chocolate, alguma sobrematuração e um final doce algo enjoativo. Um vinho moderno muito (demasiado) parkeriano. Nota 16.
Os restantes vinhos eram todos Lynche-Bages da região demarcada de Bordeus.
Muito apreciados o complexo Blanc de Lynch-Bages 07 (nota 16,5) e o portentoso Chateau Lynch-Bages 04 (nota 18).

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Outra vez o Solar do Vinho do Porto em Lisboa

Os receios manifestados quando da 1ª crónica, quanto às temperaturas de serviço, não têm fundamento.Mais uma razão para frequentar este espaço.
Recentemente provei o Dalva 30 Anos, engarrafado em 2009. Custou 7 € o copo. Aroma complexo, frutos secos, notas de mel, excelente acidez, bom volume de boca, final longo. Muito elegante e fresco. Nota 18,5 com direito a entrar no meu Quadro de Honra.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Almoço na Cozinha Velha

Será possivel comer na Cozinha Velha, o histórico restaurante do Palácio de Queluz, a preços acessíveis? A resposta é SIM, desde que se vá almoçar num Domingo. Espera-nos um serviço de bufete de alta qualidade, com uma extensa oferta de frios, quentes e sobremesas, a troco de 25 € por pessoa, sem bebidas.É um achado.
Mas, como há sempre o reverso da medalha, a carta de vinhos é uma miséria, especialmente nos tintos (o Douro, a nossa grande região, está representada apenas por 3 referências de super mercado). Por outro lado os anos de colheita foram omitidos, os preços inflacionados e não têm vinhos a copo. Os copos na mesa são maus e os bons só a pedido.No entanto é possivel levar o vinho de casa, pagando-se 5 € pelo chamado serviço de rolha.
O Grupo Pestana está, outra vez, a prestar um mau serviço, mais a mais grande parte da clientela é estrangeira e ficará com uma opinião não muito favorável dos nossos vinhos.Com um restaurante de referência no Pestana Palace Hotel,onde trabalham bons profissionais na área do vinho, será muito complicado corrigir os erros aqui apontados?

domingo, 20 de junho de 2010

Três acontecimentos, um triste, os outros não

Destes 3 acontecimentos só 1 tem a haver com o mundo do vinho. Mas, como não posso deixar passar em claro os outros, vou transgredir as regras deste blog e não prometo que seja a última vez. Por ordem cronológica temos :
1º A atribuição do galardão anual "Prix du Sommelier" ao nosso escanção João Pires, por parte da Academia Internacional de Gastronomia. Parabens João Pires !
2º O falecimento do nosso Nobel José Saramago, um dos maiores escritores de todos os tempos em língua portuguesa, cuja escrita chegou a todo o mundo. Os cães ladram mas a obra fica. A ele, aqui deixo expressa a minha sincera homenagem.
3º O fabuloso concerto do Fausto, ontem no CCB, com o tema "Trilogia" (Futuro Album,Crónicas da Terra Ardente e Por Este Rio Acima). A direcção musical foi do José Mário Branco, uma mais valia.

sábado, 19 de junho de 2010

Grupo 3+4. Uma (boa) avalanche de vinhos.

Esta nova sessão do Grupo 3+4, decorreu no restaurante As Colunas, na Venda Nova, desta vez com vinhos do Rui Rodrigues.Ao longo do repasto desfilaram 1 espumante, 1 branco, 8 tintos de 2003, 1 Madeira e 1 Porto (este último foi uma simpática oferta do sr. Gonçalves, o dono do restaurante, que todos sinceramente agradecemos).Se a PSP tivesse montado alguma operação stop à saída, teria arrecadado uma boa verba...
Mas vamos aos vinhos e às notações telegráficas que lhes atribuí.Devido à quantidade de tintos apresentados, foram provados às cegas em 2 séries de 4, utilizando-se os mesmos copos, depois de devidamente avinhados.
.Espumante Bruto Castas de Monção 07, da PROVAM. Nota 15.
.Contacto Alvarinho 08, do Anselmo Mendes. Nota 16.
.Flor de Pingus (Ribera del Duero).Alguma desilusão.Notas de lagar, azeitona, acidez q.b., corpo e final médios. Nota 16,5.
.Meruge. Aroma discreto, floral, elegante, acidez q.b., final mediano. Nota 16,5 (noutras situações 17,5/16,5/16/17).
.Chryseia.Aroma ainda presente, madeira excessiva, mediano de corpo e no final de boca. Nota 16 (noutras 17/18,5/17+/18/17,5).
.Campo Ardosa RRR.O melhor da 1ª vaga de tintos. Muito especiado, elegante e equilibrado, taninos ainda bem presentes, final longo.Nota 17,5+ (noutra 17,5+).
.Vallado Reserva. Aroma ainda exuberante, frutado, fresco, muito boa acidez, boa estrutura e final de boca.Nota 17,5+ (noutras 18,5/18,5/16+/17,5).
.Poeira. Aroma floral bem presente, elegante, muito boa acidez, final longo. Nota 18 (noutra 16).
.Qtª Vale Meão.Notas de couro e tabaco, madeira presente, boa arquitectura de boca, final longo. Nota 17,5+ (noutra 18).
.Qtª Crasto Vinha da Ponte. Aroma envolvente e complexo, taninos bem presentes, final longo. Perfeito. Um grande vinho. Nota 18,5 (noutras 17,5/19/18,5/17,5).
.Malvazia 1879. Saúde incrível para esta idade, pouco doce, iodo, caril, excelente acidez, final interminavel. Nota 17,5+ (noutra 16,5).
.Kopke Selected Old Tawny, com cerca de 50 anos de garrafa. A grande surpresa. Côr dourada brilhante, nariz exuberante, boa acidez, final longo.Nota 18,5.
Grande e perigosa jornada ! Obrigado Rui!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Núcleo Duro.Aditamento.

Faltou referir os 2 vinhos de sobremesa :
.Oremus Tokaji Late Harvest 02.Fruta tropical, citrinos, muito fresco e elegante.Nota 16.
.Qtª Noval Colheita 68 (engarrafado em 2007).Alguma desilusão, alcool muito presente, untuoso, pouca acidez e frescura, final longo.Nota 17.Ficou ao nivel do 74, próximo do 87 (17+) e muito abaixo do 37 (18,5), 64 (18,5), 71 (19), 86 (18+) e do 40 Anos (18,5).

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Núcleo Duro (56ª Prova)

A responsavel pelos vinhos foi a Paula que pôs em confronto 6 brancos (4 portugueses, 1 francês e 1 alemão), no espaço do restaurante Verde Gaio, em Campo de Ourique.Em parte dos vinhos era evidente a madeira, mas nada que o tempo em garrafa não venha a corrigir, com excepção do francês que há-de morrer com ela ainda bem presente.Acompanharam os brancos queijo de cabra,melão com presunto e uma excelente cabeça de peixe bem grelhada.A minha classificação :
1º - Terra d'Alter Verdelho 09 (Alentejo), obra de Peter Bright.Aroma bem presente, notas tropicais e de citrinos, mineral, excelente acidez, boa estrutura de boca e persistência.Boa surpresa a prestação deste vinho desconhecido e,ainda, sem pergaminhos.Nota 17.
2º - Anselmo Mendes Alvarinho 07.Um clássico.Côr evoluida, aroma complexo, madeira presente, bom volume de boca, muito gastronómico, a precisar de mais um pouco de acidez para atingir o estrelato.Nota 16,5.
3º - Terrenus 08, com enologia do Rui Reguinga.Aroma exuberante, algo doce que lhe é dado pela madeira, boa acidez, tudo muito equilibrado.Nota 16.
4º - Paulo Laureano Premium 07.Aroma floral, discreto, madeira ainda presente, pouca profundidade.Nota 15,5.
5º - Zind 07 (Alsácia).Madeira em excesso, adocicado, muita baunilha, alguma acidez, final curto.Nota 15,5.
6º - Josephshöfer Riesling Kabinett 08 (Alemanha).A carta fora do baralho.Muito aromático, perfil de colheita tardia, bom para beber a solo fora da refeição.Nota 14.
Obrigado Paula!

domingo, 13 de junho de 2010

Almoço no Sabores de Itália

Fui conhecer as novas instalações deste restaurante que é,desde há muitos anos um dos meus favoritos (a par do Flora, infelizmente encerrado).E que instalações : luxo discreto e excepcional bom gosto.O restaurante não saiu das Caldas da Rainha,mas mudou-se para um espaço mais desafogado.Fica na Praça 5 de Outubro,40.Mantém o mesmo tipo de cozinha que vai das pizas caseiras até aos pratos mais sofisticados.Á frente deste projecto mantém-se o casal Norberto/Maria João.Parabens aos dois!
Entrei com a sopa rica de peixe e saí com a sopa de amoras e outros frutos silvestres.Uma delícia.
Quanto ao sector de vinhos,ainda não está elaborada a lista nova mas que se espera não demorar.Boa selecção de vinhos,copos de qualidade,armários térmicos com controlo de temperatura e serviço muito profissional.Único aspecto negativo : ainda não tem vinhos a copo.Bebeu-se o Soalheiro Alvarinho Reserva 08,a confirmar o que disse noutra situação (em 16/5 com a nota 17,5+).Nota 18.
Simpaticamente foi-nos oferecido à chegada um flute do espumante bruto Nature (Messias).
Recomendo vivamente este espaço.

Bruto nasceu,bruto há-de morrer

Provei recentemente a minha última garrafa de Qtª Macedos 2001 (1 de 2750 produzidas).Confesso que a abri com algum receio,mas o vinho, embora bruto como as casas, está cheio de vigor.A côr a não indiciar a idade que tem,aroma presente com notas tabaco e couro, boa acidez, grande estrutura de boca e final ainda longo.Nota 18 (noutras situações 17/18/17,5+).Quem o tiver bem guardado não tenha pressa em o beber.Aguenta seguramente mais 5/6 anos com saúde.
Produzido e engarrafado por Paul Reynolds, a partir de vinhas velhas, sendo a Touriga Franca a casta maioritária.Foi vinificado em lagares e estagiou 20 meses em barricas de carvalho francês.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Almoço no Ibo

O Ibo,que fica no Cais do Sodré e está muito bem situado junto ao Tejo (sugiro o 1º andar) tem uma simpática cozinha de inspiração moçambicana.
Quanto aos vinhos tem uma boa lista a preços sensatos,bons copos,boas temperaturas (possui armários térmicos) e um serviço muito profissional.Mas,o que mais me surpreendeu foi a quantidade de vinhos a copo,nada frequente em restaurantes deste tipo.Nota alta para o Ibo!
Beberam-se,a copo,o branco CARM Reserva 08 que confirmou o que já se disse aqui noutra ocasião (nota 16,5) e o tinto Qtª do Côa Reserva 07,com boa prestação embora demasiado rústico (nota 16).
Tenciono voltar e recomendo.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Procura-se assessor de vinhos para a Presidência da República.Assunto urgente.

A Hora de Baco transmitiu,no dia 15/5,uma peça sobre a visita do Presidente da República à Herdade da Malhadinha.Para grande surpresa minha constatei que o nosso 1º não sabe pegar no copo.Então,entre tantos assessores não há nenhum que o aconselhe?Será necessário contratar mais um,só para aquela função?Mas em tempo de crise e contenção de custos é complicado.Nem o PEC o permite!
Talvez requisitar o João Paulo Martins ou o Mário Louro.Sempre é mais económico.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Wine Bar Miradouro S.Pedro de Alcântara

A Hora de Baco,emitida no dia 8/5,transmitiu uma peça sobre este novo Wine Bar,dando a voz ao seu responsavel,Diogo Martinez de seu nome,que sublinhou ser este um projecto "despretensioso",virado aos jovens e ao turismo.
Embora os copos cumpram os mínimos,a lista de vinhos é ridícula, concentrando-se em meia dúzia de marcas facilmente visíveis nas grandes superfícies e super mercados,sem grande interesse,pessoal ignorante,péssimo serviço com os tintos à temperatura ambiente,que em dias quentes pode ultrapassar os 30º!
Para quê perder tempo e dar antena a este projecto "despretensioso",nos antípodas de uma proposta de qualidade?Ó José Silva,francamente...
Esclarecimento : sou apreciador deste programa desde o início e muito prezo o trabalho do José Silva e respectiva equipa.Sempre fui sempre bem tratado na qualidade de responsavel das Coisas do Arco do Vinho.Ainda em Janeiro deste ano,pouco antes de sair do projecto,tive direito a tempo de antena.
Passa regularmente às 21h30 de Sábados na RTPN.Recomendo.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Ainda o Solar

Faltou dizer que no Solar do Vinho do Porto em Lisboa pode-se degustar queijos e fumeiro nacionais.A servir de exemplo ao grupo Pestana!

domingo, 6 de junho de 2010

O Solar do Vinho do Porto em Lisboa

Não me lembro de ter lido qualquer referência a este magnífico espaço,nem nas revistas de vinhos,nem nas páginas especializadas da imprensa generalista,nem nos blogs,nem nos foruns de discussão,em suma em sítio nenhum!Então os enófilos não frequentam o Solar (eu aqui faço a minha auto-crítica,pois também tenho andado arredio)?Apenas os turistas têm esse privilégio?Estranho...
Além do espaço,conforto e ambiente 5*,os enófilos têm uma oportunidade de provarem Portos de qualidade a preços acessíveis nos chamados copos Siza Vieira,enquanto põem a conversa em dia.
Recentemente,tive a oportunidade de fazer o levantamento do que lá se pode encontrar (a lista foi actualizada em Abril de 2010).Vejam,meditem e façam o vosso acto de contrição.
. 23 referências de Porto Vintage (em garrafa,acertadamente;as outras categorias são servidas ao copo),maioritariamente dos anos 2003,2005 e 2007
. 15 LBV de 2003,2004 e 2005 (preços do copo variam de 1,50 a 2,60 €)
. 7 Porto Colheita,sendo o mais jóvem o Burmester 96 (2,70 €) e o mais velho o Krohn 61 (25,40 €)
. 27 Porto 10 Anos (1,70 a 3,50)
. 16 Porto 20 Anos (3,40 a 6,30)
. 8 Porto 30 Anos (6,60 a 12,30)
. 8 Porto 40 Anos (9,60 a 22,10)
. 16 Porto Branco,fundamentalmente seco (1,10 a 2,10)
. 26 Porto de gama mais baixa (tawny e ruby)
Além da extensa e louvavel lista de vinhos que se podem provar no Solar,ainda se pode comprar algumas marcas de Porto e de vinhos do Douro,a preços aceitáveis.
Mas como há sempre um reverso da medalha,acho que os tawnies e rubies mais baratos não fazem lá falta nenhuma.Deixem as gamas baixas para as grandes superfícies e super mercados.Outra situação a corrigir é a das temperaturas.Segundo me informaram os vinhos estão armazenados a um temperatura controlada de 18º,o que é muito alta.Basta passar da garrafa para o copo para a temperatura subir 2 a 3º.
A terminar,o balanço final é muito positivo e estará na nossa mão,como enófilos esclarecidos,contrariarmos o único aspecto verdadeiramente negativo,que é o das temperaturas.

sábado, 5 de junho de 2010

Jantar na Taberna 2780

Jantei ontem neste curioso e original restaurante que dá pelo nome de "Taberna 2780 Cozinha Experimental" e fica em Santo Amaro de Oeiras bem próximo dos CTT.Se utilizar uma única palavra para o definir eu diria "Irreverência"! Irreverência na sala com grandes ardósias nas paredes onde podemos ler a ementa da quinzena e as cartas de vinhos (de mesa e de sobremesa),irreverência na elaboração e apresentação do menú de degustação e,até,irreverência na t-shirt vestida por um elemento feminino da equipa.Rezava assim : "Já comi o Eusébio"! Ficamos todos,libidinosamente,a interrogar-nos como e quando.Mas,perante a nossa perplexidade,a moça com ar matreiro e muito simpaticamente elucidou-nos que o Eusébio era um bolo!
O menú custa 24,50 e consta de :
.sardinha de molho em gaspacho
.espargos,batata nova e ovo holandês(?)
.bolinhos de peixe
.terrina 2780 (de coelho)
.bacalhau e puré de alcachofras
.terrina de chocolate
Embora fosse muito criativo e do agrado geral,não me pareceu totalmente conseguido,apresentando alguns desequilibrios.Mas como é cozinha experimental,não podemos levar a mal...De qualquer modo tenciono lá voltar e recomendo a experiência.
Quanto aos vinhos,levei 2 da minha garrafeira,tendo pago pelo serviço de rolha 15% do valor da conta,a saber :
.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 07,a confirmação.Continua em grande forma no nariz e na boca e vai aguentar mais alguns anos com saúde.Nota 17,5.
.Qtª Carvalhais T.Nacional 00,a grande surpresa.A côr e a exuberância de aromas indicia um vinho mais jóvem.Boca potente com taninos afinados e final longo.Todo ele muito elegante e a dar sinais de aguentar mais 4/5 anos.Nota 17,5+.
Finalmente,a carta de vinhos é curta,os copos são bons e o serviço eficiente.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Almoço no Chá com Água Salgada

Está muito bem situado,na praia de Manta Rota,embora a alguma distância do mar que,no último inverno,não fez estragos nas dunas,ao contrário do que se passou com grande parte das praias na região de Lisboa.Tem uma cozinha de autor que recria o melhor que se come no Algarve.É uma boa surpresa que recomendo vivamente.
A carta de vinhos sem datas (será que é regra no Algarve?) carece de revisão urgente,pois há regiões muito mal representadas.Bons copos e bom serviço.
Bebeu-se o branco algarvio Barranco Longo Chardonnay/Arinto 08.Ainda marcado pela madeira (ó Rui Virgínia,para quê o carvalho americano,não chega o francês?),gordo na boca,com alguma frescura que lhe é dada pela casta Arinto,é um vinho gastronómico que precisa sempre de companhia.Acompanhou bem uma entrada de bacalhau fumadao e um prato de barriga de atum,ambos recomendáveis.Nota 16.

Jantar no Infante Panorâmico

Este belíssimo restaurante pertence ao Suite Hotel Praia Verde,embora lhe seja exterior.Está localizado na arriba da praia com o mesmo nome e tem uma vista panorâmica de arrasar.Para quem não saiba a Praia Verde fica um pouco antes de Montegordo,para quem saia de Tavira em direcção a V.R.Stº António.A não perder por quem estiver nas proximidades.
A lista está bem concebida,inclui alguns vinhos da moda a preços acessíveis.Pontos negativos : omissão das datas de colheita e demasiado centrada nos alentejanos.Bons copos a pedido e serviço simpático e eficiente.
Bebeu-se o branco Casa Stª Vitória Reserva 07.Alguma evolução na côr,floral,algum fumado dado pela madeira,boa estrutura de boca,excelente acidez e bom final.Vai durar ainda mais alguns anos.É um dos meus brancos favoritos.Nota 17.Acompanhou bem um excelente arroz de lingueirão e uma sofrível raia.Curiosamente foi o vinho escolhido pelo Vitor Sobral para acompanhar sardinhas fritas de salmoura,prato criado para a edição especial de verão do Fugas (ver pág.61).

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Mini férias em Tavira

Acabado de chegar de Tavira,vou recomeçar as minhas divagações.Para que não haja dúvidas,não faço crítica nem de vinhos nem gastronómica.São mesmo divagações à volta do vinho e outras coisas que com ele se relacionam.E que quero partilhar com os meus amigos e enófilos em geral.