domingo, 23 de janeiro de 2011

Herdade das Servas (continuação)

5.Os vinhos
Grandes surpresas me trouxeram esta vertical. Comparando-a com uma outra ocorrida no verão de 2009 (se a memória não me atraiçoa), o 03 agigantou-se, o 05 melhorou ligeiramente e o 04 e 06 desiludiram. Uma breve apreciação dos vinhos provados em copos Riedel:
.Monte das Servas Colheita Seleccionada 09 Branco - tropical, notas de melão e citrinos, gordo na boca, belíssima acidez a compensar, muito gastronómico. É claramente um branco de outono/inverno e impróprio para o verão.Nota 16,5.
.2003 - especiado (pimenta presente), notas de tabaco e chocolate, taninos dóceis, bela acidez, bom final de boca, um toque feminino a dar-lhe elegância. Nota 17,5 (noutras ocasiões 14,5/15).
.2004 - especiado, notas de tabaco, lagar, azeitonas, acidez q.b., nítida presença do álcool que o prejudica. Nota 16+ (noutras 16,5/17+).
.2005 - nariz discreto, melhor na boca, boa profundidade, final longo, precisa de tempo de garrafa para se harmonizar. Nota 17 (noutras 2 situações 16,5+).
2006 - muito discreto, floral, acidez q.b., taninos doces, muito certinho e sem arestas, mas também sem empolgar. Nota 16 (noutra 16,5+).
2008 - aroma exuberante, muita fruta vermelha, acidez equilibrada, taninos redondos, bom final de boca. Vai crescer e promete muito. Nota 16,5+.
Licoroso - curto e desinteressante (porque não ficam nos brancos e tintos que fazem bem? O Alentejo não é o Douro).
De qualquer modo nota alta para a visita e parabéns aos produtores (Luis e Carlos Mira), ao enólogo (Tiago Garcia) e ao comercial (Artur Diogo).
É uma equipa competente e gente séria!

1 comentário: