domingo, 9 de janeiro de 2011

Parcela Única com o restaurante Manifesto em fundo

Provar o Anselmo Mendes Parcela Única Alvarinho 09, acabado de chegar ao mercado, foi o pretexto de um recente jantar no Manifesto, restaurante do Luis Baena já aqui referido (ver crónicas de 9/4 e 2/12).
O Parcela Única é mais um grande branco do Anselmo Mendes - muito mineral, citrinos presentes, madeira bem integrada a dar complexidade sem prejudicar a frescura do vinho, boa profundidade, final longo. Será o melhor Anselmo Mendes de sempre, como já foi afirmado? Para mim ainda não. Neste momento prefiro o Muros de Melgaço 08 ou 09. Mas o Parcela Única com mais uns meses de garrafa vai ser um caso muito sério. Nota 18.
Acompanhou um menú surpresa, cuja escolha ficou a cargo da equipa da casa. Desfilaram 2 ou 3 "amouse de bouche", creme de coentros com ovo de codorniz, risotto com cação de coentrada, burra de porco confitada e terrina de foie gras de pato com carpaccio de ananás, Madeira e vinagre balsâmico. Não acho que tenha sido a melhor escolha, não tendo resultado a ligação com a burra, nem com o foie. De resto, mantém-se a irreverência e a criatividade do projecto. Um aplauso para o Luis Baena que não se esquvou de ir às mesas. Um gesto simpático que se aprecia.

Sem comentários:

Enviar um comentário