quinta-feira, 21 de abril de 2011

Cabrito estonado no Assinatura

Cabrito estonado preparado pelo chefe Henrique Mouro (estaladiço, á moda do leitão bairradino), foi o que nos levou ao Assinatura. Acompanhado por um arroz de miúdos e pontas de espargos. Excelente confecção, como era de prever. Mas não ficámos por aqui. Iniciámos o almoço com um interessante creme de alcachofras, ovo estrelado a baixa temperatura e croquete de presunto e queijo, especialmente concebido para acompanhar um Madeira Verdelho. Acabámos com uma belíssima sobremesa de morango, ruibarbo e hissopo, a ligar muito bem com outro vinho da Madeira, desta vez da casta Boal. Nota muito alta para este repasto! Serviço muito profissional, como é usual no Assinatura.
Especificando os vinhos provados ao longo da refeição :
.Artur Barros e Sousa Verdelho 84, levado pelo João Quintela - tropical, notas caril, iodo, acidez e frescura, profundidade e final longo. Nota 18.
.Batuta 07, levado por mim - complexidade aromática, frescura, equilibrio, taninos aveludados, bom final de boca. Todo ele harmonia. Nota 18,5 (noutras situações 18,5/18).
.Pera Manca 07, da carta de vinhos do Assinatura - pouco harmonioso, taninos algo agressivos, a contrastar com o vinho anterior. Longe de merecer a fama e os preços demenciais com que aparece no mercado. Nota 16.
.Batuta 03 em Magnum, trazido pelo Raul Matos - notas de tabaco, especiarias, muito fresco com uma bela acidez, perdeu potência mas ganhou em elegância, bom final de boca. Nota 18 ( de notar a irregularidade das garrafas provadas ao longo de alguns anos : 16/18,5/17/18+/16,5/18).
.Blandy Boal 71 (engarrafado em 2004), da garrafeira do Juca - frutos secos, iodo, caril, vinagrinho, boca poderosa, final interminável. Um encerramento com chave de ouro! Nota 18,5+ (também tem havido variações de garrafa para garrafa : 19/17/17,5/18+/18,5).

Sem comentários:

Enviar um comentário