terça-feira, 19 de abril de 2011

Colheita 2003 : uma avaliação precipitada

A colheita de 2003 (estamos a falar de tintos) foi claramente injustiçada. De facto, o verão desse ano foi anormalmente quente e parte das uvas foi considerada com excesso de maturação. Também me precipitei e comecei a despachar os meus vinhos de 2003, deixando para trás as colheitas de 2000 e 2001. Mea culpa! Salvo raras excepções (o Xisto e, de certo modo, o Chryseia desiludiram-me) os vinhos de 2003 que provei, a maior parte saídos da minha garrafeira, mostraram-se cheios de saúde, com boa acidez, elegantes e equilibrados, a contrariar as vozes mais derrotistas. Ou seja, surpreenderam-me pela positiva e deram-me muita satisfação consumi-los. Verdade seja dita que pertenciam a um patamar alto/médio alto e, a esmagadora maioria era de origem Douro.
No espaço de 1 ano (o tempo que tem este blog) provei :
.Vallado Reserva - 18,5
.Qtª Crasto Vinha da Ponte - 18,5 (outra menos boa 17)
.Esporão Garrafeira - 18
.Poeira - 18 (outra 17,5+)
.Batuta Magnum - 18 (normal 17,5+)
.Qtª Vale Meão - 17,5+
.Ferreirinha Reserva Especial - 17,5+
.Campo Ardosa RRR - 17,5+
.Qtª Foz Arouce Vinhas Velhas - 17,5
.Herdade das Servas T.Nacional - 17,5
.Meruge - 16,5
.Chryseia - 16
.Xisto - 14,5

Sem comentários:

Enviar um comentário