terça-feira, 26 de abril de 2011

Vinhos em família (XII)

Mais uns tantos vinhos provados pacificamente com a família, a darem-nos imenso prazer. É pena que, para alguns, tivesse sido a última garrafa. Mas, para aqueles que ainda tenham algum exemplar, são boas notícias.
.Qtª Foz de Arouce Vinhas Velhas de Stª Maria 03 - vinificado em lagar, estagiou em barricas novas; perdeu a pujança que tinha nos primeiros anos, mas ganhou em elegância e frescura. A consumir desde já ou nos próximos 2/3 anos. No contra rótulo pode ler-se que o vinho não foi filtrado, mas não me pareceu. De qualquer modo, uma grande referência da equipa do João Portugal Ramos. Nota 17,5 (noutras situações 17,5/18,5/17/18,5/18+).
.Terrus 05 - complexidade aromática, acidez incrível, potência de boca, final muito longo, grande harmonia. Enologia do Francisco Montenegro. Um dos grandes vinhos produzidos no Douro em 2005 e um dos meus preferidos. Tem mais 10 anos pela frente. Surpreendentemente passou ao lado da crítica. Estavam distraidos? Nota 18,5 (noutra 18,5/17,5).
.Qtª dos Carvalhais Colheita Seleccionada 07 Branco - começou a ser comercializado só em 2011 e apenas para os sócios do Clube Reserva 1500 (ignoro se já estará no mercado); discreto no nariz, acidez bem presente que lhe proporciona uma grande frescura, gordo na boca, gastronómico, em forma mais 3/4 anos. Uma boa surpresa. Nota 17.
.Morgado Stª Catherina 08 - estagiou 9 meses em carvalho francês; aromático, notas tropicais, fruta madura, gordo na boca, equilibrado com uma excelente acidez, gastronómico, a beber ainda nos próximos 3/4 anos. Um dos mais entusiasmantes brancos portugueses e, para mim, o melhor na relação preço/qualidade. É de lamentar que não tivesse sido incluído no grande painel de brancos, publicado na RV de Setembro 2010. Este painel, aliás, lamentavelmente, omitiu a região de Bucelas, a única exclusivamente de brancos, vá lá perceber-se porquê. Nota 17,5+ (noutras 17/17,5+).
.Blandy Verdelho 73 - intenso, frutos secos, iodo, caril, acidez bem presente, profundidade de boca, final interminável. Perfeito! Nota 18,5+

3 comentários:

  1. Fico encantada que tenha gostado tanto do TERRUS e fale dele em tão bons termos. Foi a primeira produção comercializada (2.600 garrafas)e já não há mais! Não sei se já provou 2006 ou 2007. Terei muito gosto em que visite a adega ou em enviar umas amostras. Boas provas, obrigada pelo blog
    Maria da Assunção Foy

    ResponderEliminar
  2. Obrigado, mas não tem que me agradecer. O seu Terrus 2005 é mesmo um grande vinho. Já provei o 2006 que não chega aos calcanhares daquele. Já comprei o 2007 mas ainda não o provei.

    ResponderEliminar
  3. Diga-nos quando provar o 2007.
    Obrigada.
    Eva

    ResponderEliminar