sábado, 16 de julho de 2011

Rescaldo da ida ao Douro (II) : e os outros.

O DOC está num patamar de excelência, mas frequentei outros restaurantes que vale a pena conhecer. O Douro, não há muitos anos, era um deserto restaurativo, mas hoje em dia, é possivel encontrar boas propostas de cozinha apelativa e beber vinhos decentes a preços convidativos e com um serviço de qualidade.
Como exemplo do que estou a afirmar, destaco 2 restaurantes, com filosofias semelhantes, até porque os donos são os mesmos : "Castas e Pratos" na Régua e "Cais da Villa" em Vila Real. São, simultâneamente, restaurante, wine bar e garrafeira. Uma solução 3 em 1, que resulta plenamente e é uma mais valia para aquelas cidades do interior.
As cartas de vinhos são monumentais e exaustivas em relação ao Douro, apresentando também uma boa oferta de vinho do Porto ( no restaurante da Régua podia-se ver o diploma do 1º Prémio da Melhor Carta de Vinhos Regional, atribuido pela Revista de Vinhos em 2009).
Os preços são acessíveis para os de gama baixa e média baixa, mas por vezes exorbitantes para os de gama alta. Copos e serviço impecáveis, com um ou outro deslize em relação ao "Castas e Pratos". Profissionalismo mais apurado no "Cais da Villa", que tem uma lista de vinhos a copo mais extensa e é, também, mais requintado. De qualquer modo, aconselham-se ambos.
Na Régua bebeu-se, a copo, o branco CARM 2010 e o tinto Kopke 08. Em Vila Real, bebemos um belíssimo Três Bagos Sauvignon Blanc 2010, trazido pela Olga Martins (administradora executiva dos Lavradores de Feitoria e casada com o Jorge Moreira), com quem tivemos o prazer de almoçar. Encontrei citrinos e fruta tropical em doses equilibradas, acidez a dar-lhe vivacidade e anos de vida, alguma gordura na boca sem pesar. Personalidade e elegância, em suma. Nota 17,5+. Posteriormente, vim a saber que foi o único Sauvignon português a ser premiado (medalha de prata), entre 481 vinhos desta casta, no "Concours Mondial de Sauvignon", realizado recentemente em Bordeus.
Finalmente, aconselho o restaurante "Serpa Pinto", pertencente ao Hotel Porto Antigo, em Oliveira do Douro. Espaço fabuloso, com uma esplanada junto ao Douro. Cozinha simples e bem elaborada e serviço simpático. Carta de vinhos curta e pouco interessante, mas com preços módicos. Bebeu-se o branco Evel 2010, fresco e frutado, vocacionado para esta época, que cumpriu a sua função.

Sem comentários:

Enviar um comentário