quinta-feira, 21 de julho de 2011

Rescaldo da ida ao Douro (IV) : Os 200 anos da Dona Antónia.

A exposição "Dona Antónia - Uma vida singular", inaugurada oficialmente no passado dia 8 de Julho, é comemorativa dos 200 anos do nascimento de "A Ferreirinha", de seu nome Antónia Adelaide Ferreira. Esta mulher, muito avançada para a época, foi uma visionária, empreendedora e corajosa, viveu sempre nos limites. A sua paixão pelas vinhas e pelo Douro é um exemplo a seguir. É dela, em carta escrita em 1856, esta afirmação que a define "(...) eu prefiro ter pouco vinho mas esse ser capaz de receber benefício, do que um maior número de pipas, todo ordinário. Colher as uvas imperfeitas, é condenar logo o vinho para consumo(...)". Sempre adiantada no tempo! Agradeçamos a alguns dos seus descendentes, nomeadamente os tetranetos Francisco Ferreira e Francisco Olazabal, a continuação do seu trabalho.
A exposição está patente no Museu do Douro, em Peso da Régua, que além de muita documentação, nos mostra como vivia, reproduzindo algumas dependências de casas e palácios onde viveu (destaque para a sala de jantar, onde se pode observar a mesa posta). Até não foi esquecida a "sanita de viagem" que acompanhava sempre a Dona Antónia nas suas incursões pelas dezenas de quintas que possuia.
Curioso o menú convite para uma recepção no Palácio Trindade, com data de 11 de Fevereiro de 1904:
Madeira, Xerez
Nogueiras - Branco
Clarete - Douro
Champagne - Montebello (ou seria espumante?)
Porto 1834, 1830, 1820, 1815, 1810 - Carlos Alberto
A parte nova do Museu, dedicada às exposições temporárias, tem ainda uma ampla loja, com uma grande oferta de vinhos do Douro, uma amostra de Portos e de espumantes, e, ainda, produtos de mercearia fina e uma livraria. Os preços são francamente bons e é de proveitar (por exemplo, o Murganheira Assemblage 1995 a 19,50 €, o que é um achado).
Finalmente, a cereja em cima do bolo, o restaurante "A Companhia", que tem entrada pelo interior, mas também pela rua. É um espaço fabuloso, com muito bom gosto, com predominância do branco, vermelho e negro. A cozinha não é nada de transcendente, mas é correcta e a bons preços. Serviço eficiente e simpático.
Quanto a vinhos, a lista é curta e exclusiva do Douro e Porto, com a informação que está a ser remodelada. Bons copos e temperaturas correctas. Bebi um copo de Qtª Leda 08 - muita fruta, boa acidez, boca poderosa e bom final, com um perfil mais Douro do que uma outra garrafa bebida logo que chegou ao mercado. A quantidade servida foi a olho, mas bem generosa, tal como o preço, 3 €!
Em conclusão, a visita à exposição "Dona Antónia" é imperdível e vale e pena conhecer o restaurante e a loja.

Sem comentários:

Enviar um comentário