sábado, 10 de dezembro de 2011

O grupo Novo Formato

O grupo de prova "Novo Formato" é o herdeiro do "De Vez em Quando", que se constituiu em 2003 e extinguiu em 2007. Juntávamo-nos 3 ou 4 vezes por ano, rodando de casa em casa. Além dos provadores da linha dura (Juca, João Quintela, Paula Costa e eu), participavam também nas provas, sempre às cegas, as mulheres dos fundadores das CAV (Lena e Bety). O casal Saldanha que fazia parte do grupo antigo, não integrou o "Novo Formato".
A última prova, organizada por mim, teve um convidado especial (o nosso amigo Alfredo Penetra), pelo que a esta nova composição se pode dar o nome de "Novo Formato+". O repasto não decorreu em minha casa, com era habitual, mas sim na Enoteca de Belém. Foi uma belíssima jornada gastronómica, ao longo daqual a equipa da casa (a Renata na cozinha e o Nelson na sala, ajudado pela Madalena) teve uma excelente prestação e, desta vez, não se sentiu a falta do Ângelo. É o maior elogio que lhes posso fazer.
Quanto aos vinhos, todos da minha garrafeira, foram provados 1 espumante com umas deliciosas tapas, 3 brancos com um estupendo pargo no forno, 3 tintos com umas saborosas bochechas de vitela, 1 Porto com queijos e bolo brigadeiro e 1 Madeira com o respectivo bolo regional e fruta a fechar. Todos os vinhos se portaram muito bem (apesar de um dos brancos se encontrar algo oxidado), metade dos quais na área da excelência e os outros por lá perto. Ei-los:
.Espumante Murganheira Assemblage 95 - incrível frescura para um espumante com 16 anos, bolha fina, notas de pão a sair do forno, estruturado. Nota 17,5 (noutras situações 17,5/17,5/17+).
.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 07 - nariz exuberante, algo tropical sem excessos, bela acidez, untuoso a encher a boca, final persistente. Evolução harmoniosa, a provar que a casta Alvarinho precisa de tempo para se mostrar ao seu melhor nível. Nota 18 (noutras 16,5+/16,5/17/17/17,5).
.Pinto Viognier/Chardonnay 07 - discreto no nariz, boa acidez, madeira presente mas sem se impor, estrutura e final de boca médios. Um vinho quase desconhecido que se aguentou muito bem com os consagrados. Nota 17,5 (noutra 17,5+).
..Casal Figueira 95 - o primeiro branco criado pelo malogrado António Carvalho; apesar da oxidação evidente e dos seus 16 anos, defendeu-se bem com a acidez que lhe dá vida; é muito gastronómico e de acentuada personalidade. Nota 16,5+ (noutra 14,5).
.Ferreira Vinhas Velhas 07 - nariz complexo, acidez equilibrada, especiado, madeira fina e bem casada, taninos presentes mas elegantes, boa arquitectura de boca e final longo. Tem tido uma evolução surpreendente. Nota 18,5+ (noutras 17,5+/18).
.Qtª Monte d'Oiro ex-aequo 07 - resultante de uma parceria de Bento dos Santos com a casa Chapoutier; exuberante no nariz, muita fruta preta, acidez equilibrada, estruturado e bom final de boca; ficou entalado entre 2 vinhos de excepção, o que o prejudicou. Nota 18.
.Herdade do Peso Ícone 07 - notas de tabaco e chocolate, acidez equilibrada, madeira muito fina, taninos em evidência mas sem rugas, final persistente. O Alentejo no seu melhor. Nota 18,5 (noutra 18,5).
.Warre Vintage 94 - um bom exemplar de um ano de eleição; doçura acentuada, grande frescura, taninos ainda bem presentes, final longo. Nota 18.
.Blandy Bual 48 (engarrafado em 2004) - frutos secos, iodo, vinagrinho, taninos ainda de arrasar, final interminável; um grande Madeira que não deixa ninguém indiferente, a fechar em beleza este magnífico repasto. Algumas diferenças de garrafa para garrafa. Nota 18,5+ (noutras 19,5/17,5/18,5).
Mais uma grande jornada, em que tive a ocasião de partilhar alguns dos meus vinhos, com estes Amigos!

Sem comentários:

Enviar um comentário