quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Uma volta por Campo de Ourique (II)

Ontem, finalmente, consegui ir à Cervejaria da Esquina e comer o prego de atum dos Açores. A conselho do empregado, o prego veio no pão, ainda quente e estaladiço. Simplesmente divinal! Também pode ser servido no prato, mas não é a mesma coisa. Como acompanhamento, à parte, pode-se comer batata frita, arroz ou legumes. Optei, em boa hora, pelos legumes, uma boa dose com base nuns deliciosos cogumelos frescos. Antes do prego, comi um belíssimo creme de marisco que me aqueceu a alma.
O restaurante, já muito badalado, resultou da remodelação de um antigo espaço. É muito agradável a decoração moderna, as madeiras e toda aquela claridade, com a cozinha à vista, praticamente dentro da sala. As toalhas, de papel, têm impresso a carta de vinhos. Ideia original, mas não muito prática. Imprimem novas toalhas cada vez que haja alteração dos vinhos? Não me parece. Os guardanapos são de pano, o serviço profissional e despachado.
A carta de vinhos contém 8 espumantes e 2 champanhes (4 a copo), 35 brancos (13 a copo) e 23 tintos (11 a copo). A Dão Sul tem quase 20% das referências o que, não sendo monopólio, considero excessivo. Não descortinei vinhos generosos, o que é um ponto fraco, caso não haja.
Bebi o Qtª do Pinto Chardonnay/Viognier 07, servido num bom copo, com uma boa quantidade (14 cl? 15 cl?), mas servida a olho. A garrafa veio à mesa e o vinho foi-me dado a provar.
Quanto ao vinho, mostrou um bom casamento das castas utilizadas, uma ligeira oxidação que o enobrece, aroma com complexidade, untuoso, acidez a equilibrar o conjunto, madeira discreta, estruturado e bom final de boca. Um grande branco de Lisboa de um produtor que importa conhecer melhor. Nota 17,5+.
Como apontamento final, a presença na equipa do Vitor Sobral da Catarina, que foi no passado responsável pela cozinha do restaurante A Commenda.
Hei-de voltar, quanto mais não seja, para comer o prego de atum!

Sem comentários:

Enviar um comentário