sábado, 24 de março de 2012

Reclamar, sempre! (I)

Na "Declaração de Princípios" que assumi (ver crónica de 30/1/2012), deixei a porta aberta para abordar assuntos externos ao mundo do vinho, desde que considerasse importante partilhá-los com os leitores deste blogue.
Ao longo da minha vida, pessoal e profissional, nunca tive dúvidas em reclamar ou protestar, sempre que os meus direitos fossem postos em causa, estando a razão do meu lado. Foram pequenas, médias e grandes reclamações. Vou ficar pelas grandes. A primeira, que agora relato, foi um conflito de consumo contra a firma Linea Mare - Comércio de Vestuário, representantes em Portugal da marca Paul & Shark.
1.Em 16/1/2006, adquiri uma parka em tecido impermeável, com aplicações em pele, da referida marca.
2.Em Julho desse ano, desloquei-me à Islândia, em gozo de férias, tendo levado vestida esta parka. Choveu durante quase toda a semana, o que provocou que as aplicações em pele tivessem manchado o tecido, inutilizando-o.
3.Contactado por diversas vezes o representante da marca, através da sua loja em Lisboa, em Janeiro de 2007 fui informado que a respectiva administração se recusara a solucionar o problema, pelo que apresentei uma reclamação escrita no respectivo livro. Uma das cópias foi endereçada à ASAE, sem que até esta data se tivesse pronunciado.
4.O passo seguinte foi apresentar uma queixa no Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo (Rua dos Douradores,108 em Lisboa), que marcou um Julgamento Arbitral. Realizado em 1/3/2007, nada se concluiu por falta de comparência da Linea Mare.
5.Com a ajuda de um advogado amigo, recorreu-se ao Julgado de Paz de Lisboa (Rua Professor Vieira de Almeida,3) que marcou para 6/2/2008 uma sessão de Pré-Mediação, igualmente sem resultados práticos por recusa da Linea Mare em comparecer.
6.Não cruzámos os braços e o meu advogado submeteu o processo a tribunal.
Finalmente, o 3º Juizo do Tribunal de Pequena Instância Cível de Lisboa, marcou para o dia 7/2/2011, uma Audiência de Discussão e Julgamento.
7.Na véspera do julgamento, o advogado da Linea Mare entrou em contacto com o meu advogado propondo solucionar o problema. Se tivéssemos de acordo viria uma parka nova de Itália, ficando o julgamento sem efeito.
8.Finalmente, passados quase 5 anos, fez-se justiça!
Moral da história : reclamar, sempre!

3 comentários:

  1. Fiquei curioso. Não houve custos em nenhum ponto do processo? Ou foram assumidos pela empresa?

    ResponderEliminar
  2. Apenas as despesas apresentadas pelo tribunal. Tive, a meu favor, a amizade do advogado que nada cobrou.

    ResponderEliminar
  3. A conclusão que tiro disto tudo é que além de reclamar é não comprar roupa da Paul & Sark à Linea Mare.

    E ter vindo logo para os blogs e redes sociais mostrar a falta de disponibilidade da marca em resolver um problema que afinal existia.

    ResponderEliminar