domingo, 5 de agosto de 2012

Roubos e "distracções"

No condomínio onde resido, anda toda a gente num reboliço. Desde meados de Maio deste ano, já foram assaltadas 5 apartamentos. Segundo a polícia,  trata-se de um gangue romeno, altamente treinado e profissional, que consegue calmamente entrar nas casas, sem  forçar as portas, mesmo aquelas com trancas de alta segurança e consideradas invioláveis, até agora.
E a propósito disto, lembrei-me de alguns casos, relacionados com roubos e "distracções", que tivemos enquanto responsáveis das CAV. Vou, então, partilhar algumas pequenas histórias vividas por nós:
1.Tinha referenciado um sujeito, que só entrava na loja à hora do almoço e desde que tivesse apenas um de nós presente. Trazia sempre um casaco por cima das costas, uma espécie de kit de mãos livres. E, de vez em quando, lá desaparecia uma garrafita, quase sempre whisky. Imagino que não seria enófilo.
Um belo dia, à hora do almoço, estava eu sózinho nas CAV, entrou o dito sujeito. Fiquei de olho nele e disse, para mim, é hoje que apanho este fdp. Azar o meu, entra um cliente que me pergunta o preço de algo que estava numa montra atrás de mim, o que me obrigou a voltar as costas por um instante. Foi o suficiente. O sujeito desapareceu e, no lugar das garrafas de whiski,  ficou uma clareira. Um grande FDP, mas também um grande profissional, na sua área. Mas, como ele percebeu que eu percebi, nunca mais voltou a pôr os pés nas CAV.
2.Quem frequentou as CAV, deve lembrar-se da existência de um saco de lona, com capacidade para 6 garrafas, tanto utilizado por nós como pelos próprios clientes. Servia para transporte dos vinhos das prateleiras até ao balcão, onde eram acondicionados e feito o respectivo pagamento.
Ora este saco foi, por 2 vezes, parar a casa de clientes. O que nos valeu, foi o visionamento das gravações das câmaras dos seguranças, instaladas no exterior da loja, mas que cobriam a respectiva porta.
Numa primeira vez, avistámos um grupo que esteve a fazer compras, mas que não identificámos por não serem clientes habituais. No entanto, lembrámo-nos que tinham sido acompanhados por alguém que conhecíamos bem e tinha sido formador daquele grupo. O saco foi recuperado e tudo acabou em bem. Tinha sido uma mera "distração"...
Na outra vez, identificámos claramente um cliente nosso, de quem sabiamos o nome, morada e telefone. Feito o contacto, deu uma justificação algo atabalhoada. Passados 2 ou 3 dias, um seu familiar foi á loja devolver-nos o saco de transporte. Quanto ao cliente, tal foi a vergonha, nunca mais apareceu nas CAV. Grande "distracção"!
3.Um domingo de manhã, uma altura sempre tranquila, estavam na loja um nosso cliente, bastante assíduo, por sinal, e um casal de estrangeiros, de meia idade e com bom aspecto. O que é certo é que, um bocado depois de terem saído e com a loja vazia, saltou-me à vista que 2 garrafas de Porto Vintage, por sinal bem caras, tinham voado, com preço e tudo. Teria sido o casal com bom aspecto? Teria sido o nosso cliente assíduo? O visionamento da gravação não foi conclusivo, de modo que ainda hoje vivo com essa dúvida. Apenas uma certeza, não foi nenhuma distracção, mas sim um roubo descarado!

3 comentários:

  1. Obrigado por mais este belo momento!
    HM

    ResponderEliminar
  2. O nosso apartamento também foi assaltado da mesma forma no final de Julho.

    Abraço

    Artur Hermenegildo

    ResponderEliminar
  3. Olá Artur,
    Não fazia nenhuma ideia que tivesse sido mais uma vítima destes gangues. Lamento o sucedido. E vinhos de referência, levaram?
    Abraço,
    Francisco

    ResponderEliminar