quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Almoço com Vinhos da Madeira (6ª sessão)

Nós, os componentes deste núcleo duríssimo, somos uns privilegiados, ao termos no nosso grupo um amigo madeirense, Adelino de Sousa, possuidor de uma excelente garrafeira particular e muito chegado ao Francisco Albuquerque, o que lhe permite partilhar connosco algumas novidades e raridades.
Nesta última sessão, todos os 5 Madeiras provados foram trazidos por ele, a saber:
.Artur Barros e Sousa Verdelho 83 (engarrafado em 2012) - mais seco do que o esperado nesta casta, iodo, caril, acidez bem presente, estrutura, bom final de boca, gastronómico; uma boa surpresa e uma grande harmonia e equilibrio. Nota 18.
.Blandy Terrantez 20 Anos (sem data de engarrafamento) - frutos secos, notas de caril e citrinos, untuosidade, grande potência de boca e alguma persistência, penalizado pelo déficite de acidez; muito gastronómico. Nota 17,5 (noutra situação 17).
Estes primeiros 2 Madeiras foram bem acompanhados por salmão em salmoura (voltei a provar o Terrantez, mas com o prato de carne, e funcionou muito bem esta ligação).
.Blandy Centennial (engarrafado em 1999) - resultante de um lote com 4 castas (Cercial, Verdelho, Bual e Malvasia) - aroma muito complicado e algo desagradável (trapo molhado?), mas boca poderosa e final longo. Não lhe atribui nota.
.Blandy Bual 1969 (amostra sem rótulo, engarrafada em 2012) - frutos secos, notas de caril e brandy, vinagrinho, grande estrutura e final interminável; equilibrio e harmonia, a Madeira no seu melhor. Nota 19 (na EVS 18+).
.FEM Sercial Muito Velho (sem data de engarrafamento, estimado em cerca de 90 anos) - aroma austero, acidez alta, boca de arrasar e final interminável; a secura da casta, ao fim destes anos todos, esbateu-se. Nota 18,5+ (noutras 17,5/17+/18,5/18+).
Estes últimos 3 Madeiras foram consumidos no final do repasto, a acompanhar queijos, doce Abade de Priscos, Bolo da Madeira, pinhoadas (oferta da Natalina) e fruta.
O vinho de boas vindas foi o espumante Aliança Particular 05, simpática oferta da equipa da Enoteca de Belém, e cumpriu bem a sua função.
Os pratos de peixe (lombo de bacalhau) e carne (naco de vitela), tiveram a companhia de 3 tintos de 2005: Três Bagos Grande Escolha (trazido pelo Juca), CV (pelo Modesto) e S de Soberanas (pelo João), todos a portarem-se bem, com o CV a impor-se. Veio, ainda, o Qtª da Falorca Garrafeira 03 (mais uma simpática oferta da casa), que não cheguei a provar.
Resta dizer que a equipa da Enoteca se portou muito bem, a gastronomia em alta (a cozinha foi reforçada com a entrada do Ricardo, vindo do Populi), o serviço na sala a rolar muito bem (o Nelson regressou ao seu lugar; o Ângelo não esteve presente), apesar dos 130 copos utilizados!
Grande jornada de convívio. Obrigado amigo Adelino, pelos Madeiras!
.

2 comentários:

  1. Caro Francisco,

    Folgo em saber que continuam em grande com os Madeiras.

    Já tive oportunidade de provar e beber umas quatro ou vezes o Centennial Blend e nunca lhe detectei qualquer problema.
    Poderá ter sido uma má garrafa.

    A ver se nos juntamos e eu levo uma que (ainda) lá tenho e dissipamos as dúvidas.


    PS: Na quarta feira passada fiquei rendido a um Boal 1900 da HMBORGES. Simplesmente fabuloso!!!

    Forte Abraço


    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo comentário. Estou a ver que continua a militar nos Madeiras.
    Um abraço,
    Francisco

    ResponderEliminar