sábado, 8 de dezembro de 2012

Novo Formato+ (9ª sessão)

A responsabilidade desta sessão foi minha, tendo escolhido como "lar" emprestado a Enoteca de Belém. Os vinhos provados, todos às cegas, eram da minha garrafeira e portaram-se todos muito bem. Escolhi 2 brancos de 2009, 4 tintos de 2005 e 1 fortificado. A bebida de boas vindas foi um espumante Raposeira Blanc des Blancs 2006, simpática oferta da equipa da casa. O espumante, de boa qualidade, portou-se à altura. Nos tachos esteve o Ricardo e na sala o Ângelo. Gastronomia e serviço de vinhos 5 estrelas. Os meus parabéns à equipa!
E os vinhos foram:
.Redoma Reserva - presença de citrinos, notas florais, mineral, elegante, acidez equilibrada, notas amanteigadas, madeira discreta, estrutura e bom final de boca. Em forma mais 5/6 anos. Nota 18.
.Pai Abel - ainda muito fechado, fruta exótica, boa acidez, madeira presente a precisar de tempo de garrafa,    potência de boca e final longo. Tem muitos anos à sua frente. Nota 17,5 (noutra situação 18).
Estes brancos acompanharam a entrada (mozarella em presunto) e o prato de peixe (filete de robalo com arroz cremoso de marisco).
.Qtª do Crasto T.Nacional - nariz exuberante, notas florais, especiado, boa acidez, estruturado e final longo; grande potencial para nos dar prazer mais 7/8 anos. Nota 18,5+.
.Qtª do Ribeirinho Baga em Pé Franco (garrafa nº 827 de 1400) - notas de couro e tabaco, acidez equilibrada, taninos bem presentes mas civilizados, estrutura e bom final de boca. No ponto para ser bebido. Nota 17,5 (noutra situação 18).
.Qtª Foz de Arouce Vinhas Velhas - floral e elegante, boa acidez, arquitectura de boca, taninos ainda por amaciar, persistência final. A beber nos próximos 3/4 anos. Nota 17,5+ (noutra 16, a denotar uma bela evolução na garrafa).
.Aalto PS - fruta presente, notas florais, acidez equilibrada, complexidade, estrutura e elegância. Em forma mais 5/6 anos. Nota 18 (noutras 18,5/18,5).
Os tintos fizeram companhia a uma perna de pato com batata doce e molho de laranja.
.Krohn Colheita 1964 Branco (engarrafado em 2008) - frutos secos, boa acidez, alguma gordura, elegância,  potência de boca e final longo. Uma grande surpresa. Nota 18,5 (noutra 17,5+).
Como curiosidade, o JPM atribuiu ao Redoma Reserva 17,5 no Guia 2011 (não provou o Pai Abel) e 18 aos tintos nacionais e ao fortificado, no Guia 2008. Quanto ao Aalto PS o Parker deu-lhe 98 pontos na Wine Advocate.
Mais uma grande jornada de convívio, gastronomia e vinhos, para esquecer as malfeitorias do Gaspar e do Coelho!

Sem comentários:

Enviar um comentário