terça-feira, 16 de abril de 2013

Almoço com Vinhos da Madeira (8ª sessão) : uma jornada vínica inesquecível!

1.À laia de introdução
Uma jornada vínica inesquecível foi o que aconteceu no último fim de semana, a convite dos nossos amigos Carlota e Adelino de Sousa, onde foram provados e bebidos 10 vinhos de excelência.
Esta crónica também se poderia chamar:
."Um dia irrepetível ou não (o Adelino o dirá)", segundo o nosso amigo José Rosa, ou
."O melhor evento vínico de toda a minha vida", ou ainda
."430 anos de vinhos nos contemplaram".
Para os mais curiosos, lembro a crónica "Os vinhos do amigo Adelino de Sousa", publicada em 30/8/2011, que refere um artigo sobre a garrafeira do Adelino, assinado pelo jornalista Duarte Calvão, na altura responsável pela página Boa Vida no Diário de Notícias.
2.Os privilegiados
E eles foram, para memória futura: Juca/Lena, João Quintela/Paula Costa, Alfredo Penetra/Ana Maria, Modesto/Natalina, José Rosa/Marieta e Francisco (eu)/Bety.
É o privilégio de termos neste núcleo duro dos Vinhos da Madeira, um amigo como o Adelino, possuidor de uma invejável garrafeira com milhares de garrafas e muito centrada nos Madeiras, Portos e Moscatéis, de gama alta a maioria esmagadora e onde se encontram autênticas raridades, impossíveis de encontrar no mercado. Uma colecção a fazer inveja a muitos profissionais. Não creio que em Portugal haja algo semelhante.
É sempre um prazer visitar esta garrafeira que reúne as melhores condições de temperatura e humidade e percorrer as inúmeras prateleiras, depois de habituarmos a vista à penumbra. Mais: cantos gregorianos como música de fundo. Perfeito!
3.Os vinhos
Não houve lugar para grandes anotações, tendo-me limitado a pontuá-los para se perceber em que patamar se situavam. O momento era para se fruir, com todo o prazer e todo o respeito. Dificilmente haverá uma outra oportunidade (ou não).
Os néctares desfilaram com esta sequência:
.Soalheiro Alvarinho 1ª Vinhas 09 (nota 17,5) e Reserva 07 em magnum, o branco português da minha vida (18+)
.Blandy Cerceal 66 (18,5+) e Terrantez 75 (18,5+), ambos engarrafados em 2004
.Batuta 01 em magnum (18,5) e Ferreirinha Reserva Especial 01 (18,5+)
.Fonseca Guimaraes Vintage 76, um monstro de côr e potência de boca; razão tinha o José Salvador, o 1º crítico a chamar a atenção para este Porto, que nem sequer é 1ª marca! (19)
.Moscatel de Setúbal JMF 1918, ainda algo jóvem (18,5)
.Niepoort V V, um tawny também com quase 100 anos (18,5)
.Blandy Bual 1920, a perfeição a fechar o repasto (19,5)
E se contabilizarmos a idade dos vinhos bebidos, estavam em cima da mesa mais de 430 anos!
4.A logística
Para aliviarmos os anfitriões levámos entradas (folhadinhos de camarão, bacalhau fumado, biqueirão em escabeche, quiche de cogumelos e tarte de cebola e farinheira) e sobremesas (doce de gila com amêndoas, tarte de maçã, torta de laranja e pinhoadas).
Os donos da casa serviram, como prato principal, espetada de vaca (a rabadilha), em pau de louro, à moda da Madeira, acompanhada de salada e fruta tropical.
Provámos, ainda, um queijo de ovelha curado/amanteigado com origem em Fornos de Algodres que não resisti a identificá-lo: produção de Luisa Gomes Pacheco.
Tudo isto, tendo como música de fundo o Zeca Afonso.
Uma enorme jornada. Obrigado amigos Adelino e Carlota!

7 comentários:

  1. Boa tarde, Francisco

    Folgo em saber que estão todos "bem de saúde"... apesar de andarem a estragar a boca e o estômago tantas coisas ...boas.

    São realmente vinhos fantásticos. Só não provei o secial e o moscatel, mas o Fonseca Guimarães 1976 é mesmo muito bom e um grande vinho. É um daqueles segredos escondidos que fez bem em revelar.
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Paulo Bento pelo seu comentário.
    Um abraço,
    Francisco

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Desfrutar de vinhos desta qualidade só é possível graças à generosidade e ao enorme gosto pela partilha do nosso Amigo Adelino de Sousa. Julgo ser muito difícil encontrar, em garrafeiras particulares, uma tão vasta colecção de vinhos da Madeira, Moscatéis e Porto com tantas raridades. Quase que me atrevo a dizer que, se existiu e foi comercializado, ele possui na sua Garrafeira. Muito obrigado Carlota e Adelino pelo excelente almoço e pelo privilégio de ser vosso Amigo. Um grande abraço, Alfredo Penetra

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Alfredo pelo comentário.
      Um abraço,
      Francisco

      Eliminar
  5. Boa tarde Francisco,

    Estamos em patamares dificilmente atingíveis mas possíveis como se provou.
    Para além do que foi descrito com todo o rigor - como é tradicional - em relação aos etéreos néctares e respectivos suportes, não será demais enfatizar a franqueza, simplicidade e excelência com que a Carlota e o Adelino nos recebaram.
    Acresce que a notável envolvente natural potenciou os aspetos relevantes do evento pelo que também são de registar para memória futura mas que, seguramente, virão a ter as melhorias com que a natureza nos surpreenderá (com a ajuda dos humanos...)
    Os portos ultrapassaram as minhas expectativas que, naturalmente, eram muito elevadas como creio que as de todos os presentes.
    Por tudo isto, um abraço especial para a Carlota e Adelino e para todos os presentes boa sinergia para as próximas jornadas.

    José Rosa


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado José Rosa pelo seu comentário.
      Um abraço,
      Francisco

      Eliminar