terça-feira, 25 de junho de 2013

Jantar Soalheiro

A Garrafeira Néctar das Avenidas organizou mais um jantar vínico, desta vez em parceria com a Casa da Dízima, em Paço d' Arcos. Este restaurante, de classe incontestável, já foi aqui objecto das crónicas "Almoço na Casa da Dízima" em 12/11/2011 e "Grupo dos 3 (24ª sessão)" em 23/9/2012. Também consta no meu TOP de restaurantes, incluido na crónica "2012 : na hora do balanço (V)", publicada 8/1/2013. De aplaudir o esforço e empenhamento do João Quintela, animador e responsável pela Néctar das Avenidas.
Este último jantar contou com a presença do Luis Cerdeira, produtor e enólogo da marca Soalheiro. Vinhos, gastronomia e serviço (sob orientação do Pedro Batista) estiveram muito bem. Desfilaram:
.Espumante Bruto Rosé 2011 - com base na casta Alvarelhão; bolha fina e persistente, linda côr salmonada, notas de pão acabado de cozer, boa acidez, elegante e harmonioso. Nota 17.
Ligou bem com uma série de canapés de qualidade apreciável.
.Alvarinho 2012 - cativante e sempre uma aposta segura; nada a crescentar à minha última crónica "Vinhos em família (XLIV)".
Fez companhia ao "amuse bouche".
.1ª Vinhas Alvarinho 2012 - estagia 6 meses em barricas usadas (15% do total); menos tropical do que o anterior, mais presença de citrinos,  mineralidade, frescura, elegância, estrutura e final longo; gastronómico; melhor daqui a 2/3 anos. Nota 17,5+.
Maridou com vieiras frescas coradas sobre creme de sapateira.
.Reserva Alvarinho 2011 - notas de citrinos, alguma mineralidade, potência de boca, final longo, ainda em afinação; servido muito frio, o que o prejudicou, mostrou-se bem mais interessante quando a temperatura subiu; melhor daqui a 3/4 anos. Nota 17+.
Acompanhou codornizes(ave aviárica que dá o que pode dar...) recheadas com cogumelos sobre cama de puré de castanhas.
.Alvarinho 2001 - a surpresa da noite, a comprovar que a casta alvarinho envelhece nobremente e os vinhos a que dá origem não devem ser bebidos muito jóvens; muito complexo, ligeira oxidação, boa acidez, abaunilhado, potência de boca e assinalável persistência. Nota 18. Acompanhou muito bem uma deliciosa sobremesa de mil folhas de framboesa e creme mascarpone.
A fechar, mais uma belísima jornada vínica. Parabéns aos intervenientes!

Sem comentários:

Enviar um comentário