sábado, 22 de junho de 2013

Vinhos em família (XLIV)

Mais 2 brancos e 2 tintos a darem uma boa degustação, com o rótulo à vista e sem a pressão da prova cega. E eles foram:
.Soalheiro Alvarinho 2012 - notas tropicais, frescura, elegância e alguma mineralidade, final extenso; um valor sempre seguro, óptimo para acompanhar entradas leves; melhor daqui a 2/3 anos. Nota 16,5+ (noutras situações 16,5/16,5+).
.Aveleda Grande Follies 2009 (garrafa nº 588 de 2680, comprada na loja da Qtª da Aveleda, em grande promoção) - um branco bairradino de garagem, obtido a partir das vinhas da Qtª da Aguieira, estagiou 8 meses em barricas novas de carvalho francês; ainda frutado, notas de alperce, acidez no ponto, nuances amanteigadas, bom final de boca, gastronómico; contra rótulo totalmente em inglês, a dar a idéia que se destinava à exportação. Uma belíssima surpresa, ainda bebível nos próximos 3/4 anos. Nota 17,5.
.Qtª dos Carvalhais T. Nacional 2004 (comprada este ano, estava perdida algures...) - estagiou em pipas novas de carvalho francês; aroma ainda frutado, notas florais, elegante e harmonioso, taninos aveludados, profundidade e apreciável final de boca; em forma mais 6/7 anos. Nota 17,5 (noutra 18).
.Qtª do Noval 2008 - complexidade aromática, notas florais, especiado, frescura e elegância, bela estrutura, final de boca extenso, longevo. O Douro no seu melhor, a beber até mais 7/8 anos. Nota 18,5.

Sem comentários:

Enviar um comentário