quinta-feira, 1 de agosto de 2013

The Decadente : o restaurante da polémica

Confesso que andava com alguma curiosidade em visitar este espaço da moda, ao ter sido zurzido veentemente na blogosfera, por mais de uma vez. Primeiro, no blogue Gastro Sexual "The Decadente, antes do tempo" (5/3/2012) e, depois, no Mesa Marcada (Duarte Calvão) "Restaurantes que não me querem como cliente" e "The Deprimente" (19/7 e 3/8/2012). Também sei que lhe foi atribuído 1 Garfo no Concurso Gastronómico Lisboa à Prova 2012, mas estes prémios valem o que valem.
A despropósito, lembro-me de dizer a certos produtores e fornecedores, no meu tempo das CAV, que ostentavam medalhas de bronze atribuídas a alguns dos seus vinhos, "eu, se fosse produtor, nunca exibiria uma medalha de bronze, só prata e ouro".
Voltando ao The Decadente, a minha experiência foi forçosamente diferente, pois, além de não ser um crítico gastronómico, limitei-me a almoçar uma ementa simples e a concentrar-me na componente vínica, ou seja, a oferta de vinho a copo, a qualidade do dito e o serviço do mesmo. Logo, a minha abordagem também é necessariamente diferente.
A lista de vinhos é curta, mas deveras original, os quais tanto se podem beber à garrafa como a copo. Inventariei 1 espumante, 10 brancos, 7 tintos e 1 rosé, todos lamentavelmente sem os anos de colheita. Os preços variam entre 9 e 20 € a garrafa, e entre 2 e 5 € o copo.
Curiosamente, todos os vinhos estão pontuados, de 1 a 5, nas componentes fruta, taninos, acidez e corpo. É uma informação original que se aplaude e que eu nunca tinha visto em qualquer outro espaço. O cliente agradece.
Escolhi o branco 100 Hectares 2012 (3,50 €) - aroma evidente, muito fresco e limonado, acidez q.b., alguma complexidade na boca, gastronómico. Nota 16.
O copo tinha alguma qualidade, mas já vinha servido com uma quantidade a olho, que me pareceu inferior a 15 cl. A pedido, a garrafa foi-me mostrada. Não havia necessidade.
Quanto à comida, optei pelo menú da semana que, a troco de 10 €, incluiu o couvert, sopa (creme de cenoura), prato (pescada com pimento, lima, esmagada de batata com alho) e sobremesa (salada de frutas). Tirando a sopa que estava deliciosa, tudo o resto era banalíssimo.
Finalmente, refira-se à informalidade do espaço, despojamento das mesas, música demasiado alta e uma esplanada interior deveras simpática.

1 comentário:

  1. eu diria, pelos comentarios que já ouvi a amigos, que se trata de um sítio dirigido mais a miúdos. sem querer parecer condescendente. tem o seu público, provavelmente não me inclui.

    ResponderEliminar