sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Visita à Adega Mãe (III)

5.A Fugas e a Adega Mãe
Curiosamente, no dia em que visitei a Adega Mãe, já em casa e entretido a ler o Público, fiquei deveras surpreendido ao encontrar na pág.29 da Fugas (separata do jornal de sábado), este sugestivo título "Um Alvarinho de Lisboa com a mesma frescura atlântica do Minho". Tratava-se da proposta da semana, com uma bela fotografia do vinho seleccionado. Nada menos que o Adegamãe Alvarinho 2012, que provara na manhã desse mesmo dia. Ele há cada coincidência...
A nota crítica é assinada pelo jornalista Pedro Garcias que dos 4 monocastas, por ele provados, destaca o Alvarinho e o Viosinho, deixando para segundo plano o Viognier que "ainda está muito marcado pela madeira"  (concordo em absoluto e já o afirmei na crónica anterior) e o Chardonnay o qual "mostra-se demasiado maduro, apesar da suculência da fruta e da excelente acidez que possui" (não concordo que esteja assim tão maduro, mas respeito a opinião).
A propósito, recomendo a leitura da Fugas, pois para além do crítico citado, as páginas dedicadas ao vinho contam, ainda, com o Manuel Carvalho e o Rui Falcão, jornalistas especializados nesta área já com provas dadas. Considero o Público o orgão de comunicação social generalista mais atento a assuntos vínicos e gastronómicos. Há sempre notícias, como a referida, que podem interessar aos enófilos.

Sem comentários:

Enviar um comentário