terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Rescaldo das Festas

As Festas de 2013 desenvolveram-se em 3 movimentos:
1º A Consoada
Teve lugar em casa de familiares, levando eu os vinhos da minha garrafeira. A escolha caíu em opções de boa relação preço/qualidade, partindo do pressuposto que, numa ocasião em que está presente um grupo pouco homogéneo, não vale a pena levar grandes bombas. A comida teve, como referência a tradição, mas sem seguir demasiado à letra. Desfilaram:
.Qtª do Romeu Reserva 2011 branco - com base nas castas Gouveio, Viosinho e Arinto, obtidas em parte de vinhas velhas em agricultura biológica; nariz contido, boa acidez, alguma gordura, estrutura e final médios; beber a 10/12º; madeira, finalmente, bem integrada (não tem nada a haver com outra garrafa provada há alguns meses). Nota 16,5+. 
Gastronómico, acompanhou bem uns pastelinhos de bacalhau e o polvo cozido com todos.
.H.O. 2010 (Horta Osório Wines) - já aqui descrito em "Vinhos em família (XLVI)", crónica publicada em 21/9/2013. Grande complexidade que, à partida, o preço acessível, não augurava. Nota 17,5+.
Maridou muito bem com um excelente bacalhau com broa, grelos de couve e cebola.
.Alambre 20 Anos (engarrafado em 2011) - este Moscatel de Setúbal nunca me deixou ficar mal; esta garrafa estava em grande forma e, para satisfação de alguns presentes, apresentou algumas características de um Frasqueira. Nota 18,5.
Fez boa companhia a um bolo real de excepção e outras sobremesas.

2º O almoço de Natal
Continuou em casa de familiares, embora o grupo fosse diferente do da véspera. Entraram uns, sairam outros. Em relação aos vinhos, a filosofia foi a mesma. Acabou-se com algumas sobras e avançou o
.Casa Burmester Reserva 2008 Magnum (levado pelo meu filho Bruno) - com base nas castas T.Nacional, T.Franca e Tinta Roriz; estagiou 12 meses em barricas de carvalho francês; nariz discreto, boca mais interessante, especiado, notas de couro, volume de boca médio e final longo. Nota 17,5.
Portou-se bem com as sobras do bacalhau e um frango do campo no forno.
 
3º A continuação
As Festas continuaram no Domingo seguinte, já na minha casa e com vinhos meus, para usufruto do borrego que ficou à espera de uma melhor oportunidade. Avançaram:
.João Portugal Ramos Alvarinho 2012 - já anotado na crónica "Os vinhos do João e os vinhos do José", publicada em 2/5/2013; evoluiu bem e ainda vai melhorar com mais uns meses de garrafa. Nota 16,5+.
Servido com diversos enchidos fatiados, serviu para preparar o palato para novos voos.
.Castelo d' Alba Vinhas Velhas Grande Reserva 2011 - vem com um selo de Troféu (o melhor vinho tinto do Douro, abaixo das 15 £), atribuído pela Decanter World Wine Awards 2013. Com enologia do Rui Reboredo Madeira, estagiou 18 meses em barricas novas e usadas de carvalho francês - nariz exuberante, muito frutado, notas especiadas e de chocolate preto, acidez no ponto, assinalável volume e bom final de boca. Nota 18. Este vinho é um autêntico achado e foi comprado no Continente, onde estava em promoção (!?).
Foi divinalmente com um borrego no forno com batatihas e castanhas (estava 5 estrelas!).
.Porto Vintage, de marca desconhecida, engarrafado especialmente para o 50º aniversário da Residencial Flora, em Vila Franca, onde se encontava o inesquecível restaurante do Pedro Miguel Gil, um grande senhor da gastronomia.
Este Porto, mais próximo dos LBV, vale pela componente afectiva que é enorme! Acompanhou uma mousse de chocolate e outras sobremesas.

4º A fechar
Convido/desafio os leitores do blogue a partilharem o que comeram e beberam nestas Festas. Valeu?

.

2 comentários:

  1. Consoada - Bacalhau cozido. Almoço de 25, Perú no forno com abóbora recheada de castanhas e carne de porco; Hexagon 2007, Espumante Luís Pato Maria Gomes. Passagem de ano, bucho e maranhos da sertã, almoço de ano novo cabrito no forno, quinta da bica vinhas velhas 2007, quinta da rigodeira reserva 2004, vértice cuvée reserva 2007.

    ResponderEliminar