terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Pintas 2011: será desta vez?

Descodificando o título desta crónica, o que eu me interrogo é se, na próxima atribuição de prémios por parte da Revista de Vinhos, a Sandra T. Silva e o Jorge S. Borges vão, finalmente, subir ao palco na qualidade de enólogos do ano, depois de tantos prémios Excelência conseguidos com os seus vinhos, uns criados em parceria e outros a solo. Já há 2 anos que tenho andado a pôr o dedo na ferida, como se pode constatar nas crónicas "Revista de Vinhos : 15 anos de prémios (III)" e "Rescaldo dos Prémios 2011 da Revista de Vinhos", publicados em 28/1/2013 e 12/2/2012, respectivamente.
Mais ainda, este competentíssimo, simpático e mediático casal, têm a honra de serem os produtores e enólogos do vinho português de mesa/consumo mais pontuado, desde sempre, por uma das revistas especializadas mais conceituadas no mundo.
A notícia vem na Wine Spectator Inside de 22/1/2014, onde o crítico Kim Markus atribuiu 98 pontos ao Pintas 2011, a nota mais alta dada a um vinho português não fortificado! Não é demais sublinhar este feito. Mais: o Pintas Character 2011, também obra do Jorge e da Sandra, apesar de situado noutro patamar, teve uma nota muito alta, 94 pontos.
Para quem não saiba, esta  WS pontuou muito bem mais alguns vinhos do Douro da colheita de 2011, nomeadamente o Vale Meão e o Chryseia, ambos com 97 pontos, e o Vallado Reserva com 96. Noutro patamar e atendendo aos preços muito acessíveis, a WS pontuou o Churchill Estates e o Delaforce (?) T. Nacional, ambos com 93 pontos.
Voltando ao Pintas 2011, o crítico Kim Markus considerou-o com a maior longevidade, podendo ser bebido até 2025 (e, já agora, apenas a partir de 2015), enquanto todos os outros citados se ficam por 2022.
Fico algo surpreendido por a blogosfera, a começar pelo site da Revista de Vinhos, ainda não ter referido o feito do Pintas 2011. A excepção foi o blogue "Poetas do Vinho", cujo autor é o escanção Rodolfo Tristão.
Um conselho aos enófilos: o Pintas 2011 ainda pode ser encontrado nalgumas garrafeiras. Comprem-no antes que esgote ou inflacione o seu preço. Nem todos os dias se pode aceder a um vinho de 98 pontos. Quem vos avisa, vosso amigo é!

2 comentários:

  1. Obrigado pela informação, mas quando publiquei a crónica não tinha conhecimento de mais nenhuma notícia sobre este assunto (para além do blogue Poetas do Vinho). Vejo, agora, que o Estado Líquido também noticiou, com base no site da Revista de Vinhos.

    ResponderEliminar