sexta-feira, 7 de março de 2014

Almoço no deCastro

O chefe Luis Castro e Silva abriu, recentemente, o seu espaço em Lisboa, onde a sua família se encontra em força. Na sala está a Graça Castro e Silva (sua mulher), na cozinha o Gonçalo Ribeiro (seu genro) e, na retaguarda a filha (não retive o nome). O deCastro fica na Rua Marcos Portugal,1 (à Praça das Flores), num espaço que já foi muita coisa, inclusivé onde nasceu o primeiro restaurante/wine bar, o Copo de Três. É um espaço acolhedor, com um ambiente janota, serviço eficiente e simpático.
O menú contempla 16 referências para picar, 9 pratos de peixe/marisco e outros tantos de carne.
Numa 1ª visita, comemos, à lista, fígados de frango, peixinhos da horta e costela mendinha; numa 2ª optámos pelo Menú de Degustação para 2 (40 €), com direito ao couver. Desfilaram, a bom ritmo, bacalhau fumado com vinagrete de tomate seco, peixinhos da horta com maionese de alho e limão, moelas em molho de tomate picante, iscas do cachaço de bacalhau, ovos mexidos com enchidos e pão frito, e, ainda, costela mendinha com arroz de forno. Comida saborosa, no geral, com excepção das moelas, algo desinteressantes. Quanto à costela mendinha, o ex-libris da casa, embora saborosa, fica prejudicada por forno a mais, o que a torna demasiado seca.
Quanto a vinhos, a carta é original e muito diferente do que se encontra na maioria dos restaurantes que conheço. Todos os vinhos têm o ano de colheita, tendo inventariado 2 espumantes (1 a copo), 11 brancos (4), 11 tintos (5), 2 rosés (1) e 7 Portos (5), a bons preços. Quanto a Madeiras e Moscateis, a oferta é nula. Um ponto a corrigir.
Quanto ao serviço de vinhos, a garrafa vem à mesa, mas o vinho não é dado a provar (não custava nada...), servido a olho em copo Schott, a boa temperatura. Bebi, a copo, vinhos com lotes escolhidos pelo Miguel Castro e Silva:
.Cassa 2011 branco (2,90 €) - aroma discreto, presença de citrinos, acidez no ponto, alguma gordura, volume e final médio; gastronómico. Nota 16.
.Rui Reguinga 2010 tinto (2,50 €) - fruta vermelha, acidez equilibrada, taninos presentes sem incomodar, assinalável volume de boca e boa persistência final. Nota 17.
Em conclusão, está-se bem no deCastro e sai-se com a carteira quase intacta. Aconselho e hei-de voltar.


Sem comentários:

Enviar um comentário