quinta-feira, 20 de março de 2014

Novo Formato+ (15ª sessão)

Reiniciadas as provas com este grupo de enófilos, foi a vez do casal Ana Maria/Alfredo Penetra que escolheu a cantina dos empregados do Banco de Portugal, situada na Quinta da Fonte Santa e explorada pelo restaurante Tacho da Memória, em Odivelas. Nos tachos impera o Filipe Marques, que também dá uma mão na sala, ajudando a Vanessa, sua mulher. Boa gastronomia e serviço impecável.
O Alfredo pôs na mesa 2 brancos de 2010, 2 tintos de 2008, 1 tawny e 1 moscatel. Ei-los:
.Pai Abel - nariz discreto, presença de citrinos, acidez q.b., alguma mineralidade, estrutura média e final algo curto. Desiludio, pois mostrou-se aquém de outras garrafas provadas anteriormente. Ligou bem com a salada e não tanto com a garoupa. Nota 16,5+ (noutras situações 18/17,5+/17,5).
.Soalheiro Reserva Alvarinho  - aroma mais intenso, alguma gordura, acidez no ponto, maior volume e final de boca. Pede pratos mais elaborados, logo casou bem com a garoupa e menos com a salada. A alguma distância dos Reservas 2007 e 2008. Nota 17,5 (noutras 17+/17,5).
Estes brancos acompanharam a entrada (massa filo com vieiras, camarões e verduras, em vinagreta de coentros) e o prato de peixe (lombo de garoupa cozinhado em vapor, em cama de puré de curgetes e cebola roxa).
.Qtª da Gaivosa - com base em vinhas velhas; nariz discreto, notas florais, fresco e elegante, excelente acidez, harmonioso, estrutura e final longo; estilo borgonhês. Está no ponto óptimo, mas aguenta bem mais 7/8 anos. Nota 18,5.
.Esporão Private Seleccion Garrafeira - estagiou 12 meses em barricas de carvalho francês e mais 18 meses em garrafa; nariz mais exuberante, côr retinta, frutos vermelhos, boca potente e bom final; mais imediato, contrasta com o anterior. Bom para beber agora, não vale a pena guardá-lo muito mais tempo. Nota 17,5 (noutras 17,5+/18).
Os 2 tintos fizeram companhia a presas de porco preto grelhadas com migas de favas.
.Noval 20 Anos (sem data de engarrafamento visível) - muito turvo, nariz inexpressivo, acidez equilibrada, volume e final médios. Alguma desilusão, está uns furos abaixo de outra garrafa por mim provada há 1 ano e tal. Nota 16,5.
.Moscatel do Douro Secret Spot 40 Anos - nariz discreto, frutos secos, citrinos, acidez no ponto, alguma gordura, volume e bom final de boca. Estava à espera de um pouco mais, se comparada com outras garrafas (ou era eu que estava distraído e este vinho passou-me um bocado ao lado?). Nota 17,5+ (noutras 19/18,5+).
Estes fortificados acompanharam brownie de chocolate com gelado de morango.
Em conclusão, mais uma boa jornada de convívio, comeres e beberes. Obrigado Ana Maria e Alfredo!

Sem comentários:

Enviar um comentário