terça-feira, 8 de abril de 2014

Grupo dos 3 (38ª sessão) : um banquete no Via Graça

Mais um repasto do nosso núcleo duríssimo, cabendo ao João Quintela escolher o local e levar os vinhos. Em boa hora optou pelo Via Graça que, só pela vista da cidade, vale a pena conhecer. O dono e responsável pela cozinha é o João Bandeira, também proprietário do restaurante Casa do Bacalhau, enquanto na sala comanda o Fernando Zacarias (5 estrelas no serviço de vinhos).
O João trouxe 5 vinhos (1 branco, 1 espumante, 2 tintos e 1 Porto) que acompanharam uma longa e louvável refeição, um autêntico banquete. Desfilaram:
.Poço do Lobo Arinto 1994 - nariz fechado, algo oxidado, notas salgadas, acidez presente e final muito seco. Não se pode exigir muito mais a um branco com 20 anos. Nota 15.
Esteve bem com os aperitivos (manteigas, patés e presunto).
.Espumante Qtª Poço do Lobo Arinto/Chardonnay 2009 - aromático, bolha fina e persistente, boa acidez, volume de boca e bom final. Gastronómico. Excepcional relação preço/qualidade. Nota 17,5.
Acompanhou uma entrada de vieiras, castanhas, pimenta rosa e caril (para mim, o prato menos conseguido, com as castanhas a neutralizarem as vieiras) e, ainda uma inesquecível cataplana de peixe (robalo, garoupa, cherne, pregado, salmão, ameijoas e gambas).
.Vallado Reserva 1999 - oriundo de vinhas velhas, estagiou 14 meses em meias pipas de carvalho francês; notas florais, elegante e harmonioso, boa acidez, taninos suaves e final longo. Cheio de saúde para a idade (parece muito mais novo). Nota 17.
.Vinha de Saturno 2009 - com base nas castas T.Nacional, Petit Verdot, Trincadeira e Baga; Frutado, notas especiadas e de chocolate, acidez equilibrada, taninos robustos, bom volume e final de boca; perfil pouco alentejano. Nota 18.
Estes 2 tintos fizeram companhia a um delicioso assado(?)/estufado(?) de carnes (perdiz, faisão, lebre e javali). Se eu já estava almoçado com a cataplana, com este prato fiquei jantado!
.Porto Fonseca Vintage 1992 - confesso que não o apreciei devidamente, talvez por já estar saciado de comida e bebida e daí não lhe atribuir qualquer nota. Apenas retive um volume de boca aquém do esperado e um final muito longo.
Ligou bem com a sobremesa (um "pijama" com leite de creme, farófia, mousse de chocolate, arroz doce e gelado).
Quanto à carta de vinhos do restaurante, pareceu-me ter uma boa selecção, mas sem anos de colheita e a preços pouco amigáveis. Não há lista de vinhos a copo, mas pode beber-se qualquer um, pagando-se 25% do preço da garrafa, o que é simpático. As temperaturas de serviço são as adequadas e os copos têm qualidade. 
Em conclusão, mais uma boa jornada de convívio, comeres e beberes. Obrigado João!
Finalmente, aconselho vivamente o Via Graça e fiquei curioso por conhecer a Casa do Bacalhau.     

2 comentários:

  1. Estou de acordo,na generalidade,com o teu comentário,pois apenas discordo em ligeiríssimos pormenores como,v.g.,a nota 15 que deste ao 1ºBranco,algo exagerada.O importante é que confirmo a nossa ida à Casa do Bacalhau no próximo dia 6 de Maio,onde espero venha a ser outra grande jornada enófila e gastronómica.

    ResponderEliminar
  2. A Casa do Bacalhau vale bastante a pena (para quem goeste de bacalhau, evidentemente).

    E é o único restaurante que eu conheço em Lisboa que tem (ou tinha, não sei) o Preto Branco,um muito bom tinto Bairrada da Dão Sul que me foi apresentado há uns anos no The Ledbury, em Londres.

    ResponderEliminar