terça-feira, 6 de maio de 2014

No rescaldo do Lisboa Restaurant Week (LRW)

Nesta última edição fui a restaurantes de 2 hotéis, o Albatroz em Cascais e o Lawrence em Sintra, mas nenhum deles fez a minha felicidade.
Começo pelo Albatroz, com uma situação privilegiada, mesmo em cima da Praia da Conceição. A contrastar, a maioria dos empregados veste uma farda às riscas, que os faz parecer presidiários!
A entrada, que estava agradável, consistiu em ravioli de ervilhas e ovo salteado de tomate cereja cremoso. O prato, um filete de vitela (que constava, na ementa, com o nome de naco; uma fraude!) com cogumelos e queijo fundido, estava desequilibrado devido ao excesso de queijo. Quanto à sobremesa, crocante de maçãs bravo de esmolfe, portou-se bem, mas sem entusiasmar. Se tivesse comido este menú, num dia normal, fora do âmbito do LRW, teria pago 43 €, uma exorbitância!
Quanto a vinhos, a lista, onde constam os anos de colheita, é razoável, alternando preços acessíveis com outros inflacionados. A copo, fica-se por 2 ou 3 da Casa Santos Lima. Optei pelo tinto Palha Canas 2010 (4,50 €, um exagero) - muito frutado, envolvente, acidez equilibrada, taninos amaciados, volume e final médios; prejudicado pela temperatura, acima do recomendável (estava à temperatura ambiente, ou seja, quente!). Nota 16 (apesar de tudo). A garrafa veio à mesa, mas o vinho não foi dado a provar. Foi servido num bom copo, em quantidade aceitável (14/15 cl). Já os brancos eram servidos em copos de reduzido tamanho, numa quantidade ridícula!
Quanto ao Lawrence, estive quase a desistir, depois de termos andado às voltas em Sintra, cerca de 40 minutos, à procura dum buraco para parquear. Apesar do ambiente "very british", o serviço é muito antiquado, parecendo ter parado no tempo (por exemplo, ainda reservam o copo maior para a água).
A entrada, gaspacho à Andaluzia com cocktail de gambas, estava agradável. A empada de perdiz (mais parecida com frango de aviário) com ervilhas (de lata?) estufadas, apesar de tudo estava saborosa. A terminar, pudim Abade de Priscos com sorbet de limão, foi o melhor da refeição.
Quanto a vinhos, a lista é alargada, os preços não são nada amigáveis e, lamentavelmente, os anos de colheita estão omissos. A copo, a oferta está reduzida aos mínimos e nem sequer consta na lista. Como éramos 4, optei por uma garrafa do tinto Casa de Santar 2011 - frutado, acidez q.b., taninos redondos, volume e final médios; vinho descomplicado, a cumprir a sua função de empurrar a comida. Nota 15,5+.
O vinho foi dado a provar, posto num jarro com água e gelo, para baixar a temperatura e servido, a meu pedido, nos copos para água (os maiores).
Em conclusão: não fui feliz nesta edição e os restaurantes escolhidos não corresponderam às minhas expectativas. Mas, lá estarei na próxima edição.

1 comentário:

  1. e esta? casei-me no sábado assado, 3 de maio, e após uma festa em família que terminou pelas 18h, fui jantar... ao lawrence. não esteve mal a nível culinário. só não gostei da lista de sobremesas - duplas em tamanho e preço, sempre com bolas de gelado a acompanhar. o serviço de vinhos é como diz. e a escolha pouca, a copo só o da casa.

    ResponderEliminar