sábado, 3 de maio de 2014

Novo Formato+ (16ª sessão)

Esta sessão foi da responsabilidade da Paula Costa, que fez um fabuloso cozido com 21 ingredientes, que incluiam diferentes tipos de carne, enchidos, legumes, arroz, feijão, etc, e do João Quintela, que pôs à nossa disposição 1 espumante, 5 tintos, 1 late harvest e 1 Porto Vintage.
Com excepção do espumante, todos os outros vinhos foram provados às cegas, como é habitual neste tipo de sessões. A prova dos tintos, entre surpresas e desilusões, ao pôr em confronto 5 diferentes regiões e anos de colheita, foi original e didáctica. Desfilaram:
.Espumante bruto Sílica Blanc de Noir - uma novidade produzida pelo Raul Riba d' Ave, um futuro Master Wine português; cumpriu bem a sua função de vinho de boas vindas; bolha fina, elegante, acidez q.b., notas de pão acabado de fazer, volume e final médio. Nota 16,5. Só não percebi o significado da informação constante no contra-rótulo que refere um estágio prolongado de 24 a 36 meses (!?). Sempre é 1 ano de diferença. Em que ficamos?
.Qtª da Pellada T.Nacional 2002 - notas vegetais, boa acidez, algo metálico, volume e final médios; algo desequilibrado, esperava maior complexidade. A despachar, quem ainda o possuir. Nota 16 (noutra situação, há já alguns anos, também 16).
.Chocapalha 2003 - ainda com alguma fruta, notas florais, acidez equilibrada, taninos presentes, volume médio e final de boca longo. Ainda longe da reforma. Nota 17,5 (noutra 18).
.Qtª das Bageiras Garrafeira 2004 - acentuadas notas vegetais, algum pico na lingua (maloláctica mal resolvida ou azar com esta garrafa?), desequilibrado; apesar de tudo, acompanhou bem o cozido. A despachar rapidamente. Nota 14,5 (noutra 17+).
.Qtª Casa Amarela Reserva 2005 - notas florais, acidez no ponto, taninos civilizados, bom final de boca; todo certinho, mas sem entusiasmar. A consumir nos próximos 2/3 anos. Nota 16,5 (noutras 17,5/16,5).
.Herdade das Servas T.Nacional 2006 - aroma exuberante, acidez evidente, elegância, potência de boca e final longo; apreciável complexidade apesar do ano. Uma grande surpresa, a evoluir muito bem (aguenta mais 4/5 anos). Nota 18 (noutras 16/16,5+).
.Kracher Beerenauslese Late Harvest 2003 (Austria) - aromático, presença de citrinos, notas de mel, acidez nos mínimos, taninos suaves, volume médio e final curto. Agradável, mas sem entusiasmar. Nota 16 (noutra 17).
.Dow's Vintage 1994 - nariz ainda fechado, notas frutadas, acidez q.b., taninos civilizados e final de boca curto. Falta-lhe alma. Grande desilusão, considerando que a este vinho, de um ano considerado excepcional, a Wine Spectator atribuiu noventa e muitos pontos. Nota 15,5.
Os ingleses que me perdoem, mas prefiro um bom Colheita ou um 40 anos.
Mais uma boa sessão com este grupo de amigos. Obrigado Paula! Obrigado João!

Sem comentários:

Enviar um comentário