sexta-feira, 4 de julho de 2014

A Copo : os critérios insondáveis da Vini Portugal (II)

...continuando...
2.Estado D' Alma Bar & Bistro (Rua da Junqueira, 61)
A lista de vinhos à garrafa contempla 3 espumantes/champanhes, 13 brancos, 40 tintos e 2 rosés, com indicação das castas que os compõem e a preços acessíveis. Quanto aos vinhos a copo, ficamos a saber, através da leitura de uma ardósia, que estão disponíveis 2 brancos  e 7 tintos (preços entre 2,50 € e 4 €, o que é aceitável). Lista algo desequilibrada (apenas 1 tinto do Douro!) e sem indicação dos anos de colheita.
Solicitei o Assobio, o único representante do Douro, mas para azar meu, já não havia (de salientar que, após o meu pedido, se apressaram a actualizar a ardósia, pois também os 2 brancos tinham acabado). Em seu lugar, sugeriram-me um equivalente, o Fraga da Galhofa 2010 - frutos vermelhos, acidez equilibrada, alguma rusticidade, taninos presentes, volume médio, bom final de boca; gastronómico. Nota 16,5.
A garrafa veio à mesa, mas o vinho não foi dado a provar (vi levar, para outra mesa, um copo já servido!). Foi servida uma quantidade generosa a olho, num copo com alguma qualidade, mas com o logotipo do produtor Adega Mãe, que nem sequer constava na lista a copo, o que não faz qualquer sentido. Pior: o vinho vinha à temperatura ambiente, o que foi, posteriormente, compensado com uma manga em redor do copo.
Este espaço, que faz parte da garrafeira com o mesmo nome, ostenta um diploma de "Serviço de Qualidade", atribuído em 2012. Francamente!
3.Cinco Sabores (Rua Rodrigues Sampaio, 94)
Embora conste na base de dados da Vini Portugal, este restaurante já não existe. No mesmo espaço está um outro. A Vini Portugal deveria ter o cuidado de manter actualizada a lista dos restaurantes classificados. Por exemplo, ainda consta o Bocca, encerrado há mais de 1 ano! Francamente!
4.Populi
Depois do que disse sobre o serviço de vinho a copo deste restaurante na crónica "Cartão amarelo à ViniPortugal", publicada em 14/12/2013, e que mereceu um extenso comentário do respectivo Director de Marketing, tinha alguma curiosidade em saber se as deficiências apontadas tinham sido corrigidas.
Está rigorosamente na mesma, apesar de continuar a ostentar um autocolante de "Excelência"!
Bebi um copo do rosé Barranco Longo 2013 - nariz austero, notas florais, boa acidez, alguma gordura e volume de boca; muito gastronómico, pode acompanhar uma refeição de uma ponta a outra. O melhor rosé que conheço (não era por acaso que ficava sempre em 1º lugar nos painéis de prova cega para rosés, organizados pelas CAV). Nota 17.
Nesta última visita o copo, mais uma vez, já vinha servido, tendo a garrafa vindo à mesa a meu pedido, para saber qual o ano de colheita, omitido na lista de vinhos do Populi. Francamente!
5.Conclusão
Apesar de meritória esta iniciativa da Vini Portugal, seria necessário um maior rigor na atribuição dos diplomas. Nos casos aqui citados, os espaços referidos não são merecedores dos diplomas que lhes foram atribuídos. É, simplesmente, a minha opinião.

1 comentário:

  1. Olá.
    Concordo plenamente.
    É mesmo assim, cartão vermelho.
    Parabéns.
    Ainda se ao menos tivessem um do Douro tipo, Antónia Adelaide Ferreira Tinto 2009 , a coisa componha-se.

    Um abraço
    Peter Sousa

    ResponderEliminar