sábado, 12 de julho de 2014

Almoço com Vinhos da Madeira (14ª sessão) : não esquecendo o Soalheiro

Mais uma grande sessão com este núcleo duro dos Vinhos da Madeira, que tem estendido a sua militância aos alvarinhos Soalheiro. Este último encontro foi em Porto Covo, "chez" Natalina e Modesto, que nos ofereceram a gastronomia e os vinhos de mesa, ultrapassando até o nível de qualidade já demonstrado em sessões anteriores, o que pode ser recordado nas crónicas "Generosos de século XIX à prova em Porto Covo" e "Almoço com Vinhos da Madeira (9ª sessão) : o regresso a Porto Covo", publicadas em 31/7/2012 e 11/6/2013.
As entradas (casquinha de sapateira e cogumelos recheados) foram acompanhadas com uma magnum de Soalheiro 2011, pleno de equilibrio entre a acidez, a gordura e o volume de boca. Nota 17,5+. Curiosamente, para o meu gosto, esteve acima do 1ª Vinhas 2012, também em versão magnum, que fez companhia a uma belíssima canja de garoupa com ameijoas. Mais fresco e elegante que o anterior, precisa de tempo para mostrar a sua maior complexidade. Nota 17,5. Mais: o Reserva 2012, já no final do repasto, apagou-se no confronto com um excelente Serra amanteigado (oferta do Adelino), ao ser provado demasiado novo. Há que esperar...
Como é tradição da nossa parte, provámos um Madeira depois da canja e antes do prato de carne. Faz uma boa limpeza do palato e ajuda a aquecer os "motores". Coube esta missão ao Artur Barros e Sousa Terrantez 1981 (engarrafado em 2012 e saído da minha garrafeira). Bonita côr âmbar, cristalino, frutos secos, boa acidez, algum iodo, um toque salgado, volume acentuado e final longo. Nota 18,5. Parece anedota, mas a rolha vinha com tampa, como se fosse um tawny!? Coisas dos antigos proprietários...
Seguiu-se um prato de carne de porco com ameijoas que se fez acompanhar por uma dupla magnum de Vallado Reserva 2011 - exuberante e complexo, especiado, notas de chocolate, taninos vigorosos, volume e final extenso. Um grande representante da colheita 2011. Nota 18,5+.
Com a tábua de queijos, avançaram 2 Porto Vintage 1970, Ferreira e Niepoort (da garrafeira do Adelino), tendo o Ferreira (17,5+), para o meu gosto, ficado acima do Niepoort (17). Às cegas, não diria que estava a provar Vintage, mas sim tawnies com alguma idade. Maridaram bem com os ditos queijos.
Com as pinhoadas dos anfitriões e as sobremesas da Carlota e da Paula, avançaram:
.Artur Barros e Sousa Boal Reserva Velha (engarrafado em 2009 e trazido pelo Alfredo) - vinagrinho, notas de caril e iodo, volume médio e final longo. Nota 18.
.Borges Malvasia + de 40 Anos (garrafa nº 828 de 1000, sem data de engarrafamento visível e trazida pelo J.Rosa) - grande complexidade, notas de iodo, caril e brandy, acidez equilibrada, estrutura e final interminável. Um grande Madeira e uma boa surpresa vinda da Borges. O vinho da tarde! Nota 19.
Os Vinhos da Madeira de qualidade têm vindo a subir de preço na origem e há quem nos acuse de sermos os responsáveis, tal a promoção que lhes temos feito "pro bonno".
Em conclusão, foi uma tarde inesquecível graças aos anfitriões, bem acompanhados pelo resto do grupo.
Obrigado Natalina. Obrigado Modesto!


Sem comentários:

Enviar um comentário