quinta-feira, 31 de julho de 2014

Novo Formato+ (17ª sessão) : o BOCA na maior...

1.O BOCA
Pois é, continuamos (o Juca e eu) orgulhosos da nossa obra. O BOCA, mais uma vez, ficou bem na fotografia. Para quem não saiba, o CARM BOCA 2004 resultou de um lote, com base nas castas Tinta Roriz e Touriga Nacional, de cuja alquimia fomos nós os responsáveis, não esquecendo o apoio do João Braga, na altura o enólogo da casa. Este vinho foi lançado quando das comemorações do 10º aniversário das CAV, em 2006. Tem sido provado regularmente  ao longo dos anos, às cegas ou com o rótulo à vista, portando-se sempre muito bem.
Curiosamente, nesta última sessão deste grupo, que reúne 4 casais e dá pelo nome de Novo Formato+, os anfitriões (a Lena e o Juca), convidaram para S.Francisco da Serra mais 3 casais. Um deles era o Celso Madeira (o produtor da CARM) e a Lourdes. Espero que ele também tenha ficado orgulhoso! Os outros, para memória futura, eram o Modesto/Natalina (fazem parte do grupo dos Vinhos da Madeira) e o Fernando Barbosa (agora reformado, também trabalhou no mundo do vinho)/Luisa, primos do anfitrião.
2.Os beberes e os comeres
Em linguagem telegráfica, foram inicialmente servidos estes vinhos da garrafeira do Juca:
.Espumante Qtª Poço do Lobo 2009, como bebida de boas vindas, a cumprir muito bem a sua missão. É muito fresco e tem uma excelente relação/qualidade. Não deixa ficar ninguém mal.
.Soalheiro Alvarinho 2013, a precisar de mais algum tempo de garrafa para atingir o patamar de qulidade dos seus irmãos mais velhos. Vai lá chegar, evidentemente.
Acompanhou pimentos padron, gaspacho com ovo de codorniz e um excelente empadão em 2 versões (uma, apenas bacalhau e a outra, à base de línguas do dito). Esta última encheu-me as medidas. Sobre os dotes culinários dos anfitriões, remeto para a crónica "Novo Formato+ (6ª sessão) : à volta da colheita 2003", publicada em 26/6/2012.
Quanto aos tintos, confrontados às cegas, o BOCA impôs-se, como acima referi. Nariz ainda exuberante, acidez equilibrada, especiado, taninos bem presentes mas sem agressividade, acentuado volume e persistência final. Nota 18.
Nos outros, não encontrei diferenças significativas. Apenas alguma surpresa com um Caios 2011 da Herdade do Cebolal, que desconhecia, e uma relativa desilusão com o Qtª da Leda 2000, um tanto cansado. Entrou, ainda, um Qtª Poço do Lobo 2009.
Estes vinhos tiveram por companhia um belíssimo leitão à Bairrada, mas assado no restaurante Solar dos Leitões, em Roncão, já aqui apontado anteriormente e que recomendo sem favor.
Com o já habitual Queijo da Serra, de Fornos de Algodres, aliás excelente, avançou um Soalheiro Alvarinho Reserva 2010 - fruta madura, notas tropicais, acidez no ponto, alguma gordura e acentuado volume de boca; está a caminho do ponto máximo, mas muito longe da reforma. Ligação perfeita com este tipo de queijo. Nota 18.
Com as sobremesas avançou um Moscatel JP 1989 - presença de citrinos com a tangerina a impor-se, frutos secos, notas meladas, acidez fina, elegante e harmonioso. Nota 17,5+.
A rematar, para quem ainda conseguiu ingerir mais álcool, avançou um Madeira Malvazia 1879, uma relíquia, já provado por diversas vezes e do qual não tirei qualquer nota. Limitei-me, simplesmente, a usufruir.
3.Epílogo
Mais uma grande sessão. Convívio, comeres e beberes em alta.
O BOCA na maior.
Os anfitriões a portarem-se muito bem na cozinha e na sala.
O que queremos mais?
Obrigado Lena, obrigado Juca!


4 comentários:

  1. Obrigado Xico por tanta generosidade.O Boca,mais uma vez,em prova RIGOROSAMENTE cega,na maior e,lembro,que em todas as outras provas,RIGOROSAMENTE cegas em que participou ficou sempre no podium e por vezes mesmo em 1º.
    Este foi o vinho que não "SERVIU" para ir a provas no Estranjeiro,na opinião de certos "entendidos",e em Portugal foi quase ignorado mas.....os cães ladram e a caravana passa ...ou será que o "REI"vai nu ? E o INVEJA continua no top nacional..ah...ah...ah...

    ResponderEliminar
  2. Caros Juca e Francisco,

    Realmente, o BOCA é um grande vinho. Pena que eus ó tenha uma garrafa disponível. Vou bebê-la em Novembro quando o meu grupo de provas festejar o 10ª aniversário. Espero que brilhe!

    Quanto ao Malvazia 1879, continua a ser um dos meus Madeira de eleição, a par do Boal 1860 da ABS.

    Forte abraço do vosso amigo Paulo Bento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. Olá Paulo Bento,
      Obrigado pelo seu simpático comentário.
      Quanto ao BOCA, está melhor que eu, pois o meu stock ficou a zeros, há já algum tempo.
      Abraço,
      Francisco

      Eliminar