terça-feira, 4 de novembro de 2014

Mexilhões em Lisboa (II)

Abriu há pouco tempo, em Lisboa (na Lx Factory) mais um restaurante dedicado, praticamente em exclusividade, aos mexilhões. Este último pertence ao grupo Moules & Co., cujo primeiro espaço, Moules & Gin, abriu em Cascais, e o segundo, Moules & Beer, em Campo de Ourique, já objecto da crónica "Mexilhões em Lisboa", publicada em 11/1/2014.
A sala situa-se num 1º andar, as mesas e bancos são em aglomerado de madeira e completamente desconfortáveis. Ambiente demasiado descontraido, naturalmente a pensar na clientela da noite. Paradoxalmente, a música de fundo não estava aos gritos.
A ementa apresenta 2 entradas (5 € cada), 10 pratos de mexilhões, servidos com batatas fritas (8,50 a 10 €) e 2 de carne (13 e 15 €).
Optei pela tábua com tártaro de salmão, tártaro de atum e vinagrete de mexilhões, como entrada, moules com gengibre e lúcia lima, como prato principal e tarte de limão merengada, como sobremesa. Tudo com qualidade. O serviço de mesa, a cargo da Inês, foi sempre deveras eficiente e de uma extrema simpatia, a que já não estamos habituados.
Quanto a vinhos, aqui é que a porca torce o rabo. Inventariei 15 brancos, 13 tintos e 3 rosés, com algumas referências que não aparecem na maior parte da restauração. O vinho da casa é o Monte da Penha, mas que só se vende à garrafa (18 € o branco e 16 € o tinto). A copo só o modesto Terras d'Alter branco e tinto. Que isto se passe nos outros 2 restaurantes (com acento tónico no gin ou na cerveja) eu entendo, mas que este espaço, dedicado ao vinho, o faça, não entendo de todo.
Ó senhores gerentes, pensem lá nisso. Disponibilizem mais algumas referências a copo, até porque os brancos não correm risco nenhum!  Assim como está, não faz qualquer sentido.
Bebi um copo do branco 2013 - muito frutado, presença de citrinos, fresco, agradável, correcto e descomplicado. Nota 15.
O vinho já vinha servido, em bom copo e em quantidade ajustada, mas a garrafa nem sequer foi mostrada. Mais uma vez, isto não faz qualquer sentido, num espaço com o acento tónico no vinho.
Ó senhores gerentes, tenham lá paciência, mas esta omissão também deveria ser um aspecto a corrigir!

Sem comentários:

Enviar um comentário