quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Curtas (XLIX) : novos espaços (JMF e outros), provas pagas e etc

1.By the Wine, o novo espaço da JMF
Abriu recentemente em Lisboa (Rua das Flores 41-43) o novo espaço da José Maria da Fonseca, simultaneamente garrafeira e wine bar, onde se pode adquirir qualquer um dos seus vinhos, sejam espumantes, de mesa/consumo ou Moscateis. É também possivel prová-los a copo, em companhia de uma tábua de queijos e/ou enchidos, ostras do Sado, salada de mexilhão, ceviche de salmão, carpaccio, sandes diversas ou pregos. 
Está aberta de 3ª a Domingo, das 12 às 24 h.
A JMF está duplamente de parabens, não só por este espaço, como também pelas notas recentemente atribuidas pela Wine Advocate aos seus Moscateis:
.Superior 1955 - 99 pontos
.Siperior 1911 - 97
.Roxo 20 Anos - 92
.Alambre 20 Anos - 92
2.Outros novos espaços
Também abriram há pouco tempo:
.Portugal Wine Room (Rua dos Fanqueiros), irmã de uma outra situada em Alvalade (Rua Ricardo Jorge, 3A) e já aqui referida
.Mercearia do Vinho (Travessa André Valente,4 à Calçada do Combro)
.Galeria Wine Shop (Largo do Calhariz,17)
Enquanto que a primeira me pareceu integrada num projecto consistente, as duas últimas não passam de um espaço de diminutas dimensões e com uma oferta reduzida aos mínimos.
3.Provas pagas
Depois da garrafeira Empor Spirits & Wine ter optado por cobrar a participação em provas de vinhos, já aqui mencionado na crónica Curtas (XLIV), publicada em 25/11/2014, vem agora a Delidelux a seguir pelo mesmo caminho. Será que esta moda vai pegar? 

12 comentários:

  1. Já pegou. As provas da Portugal Wine Room e da GN também optaram por este formato. Normalmente, os 5€ são dedutíveis na compra de um dos vinhos em prova.

    Nalguns casos, é de reconhecer que as provas começaram a tornar-se "difíceis", com autênticas multidões presentes e dificultando a interação com os produtores. Enfim, é o que é.

    ResponderEliminar
  2. ah, esqueci-me de fazer login. o comentário anterior é do Luís Pedroso.

    ResponderEliminar
  3. Sou ou passei a ser um adepto das provas pagas, pela razão que o Luis evocou, depois começavam a ser momentos para beber uns copos grátis. Julgo que quem tiver mesmo interesse, irá na mesma. Amigo Francisco, as coisas já não são como eram :) Um forte abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Rui Miguel,
      Seja bem aparecido. A prova paga pode ser uma arma de 2 gumes.
      A mim e ao Juca nunca nos passou pela cabeça cobrar as provas que organizámos nas CAV, durante 13 anos e picos.
      Grande abraço.

      Eliminar
  4. Não sei se tem futuro.

    Se calhar vão aparecer muitos e não vão provar. Ou então deixam de aparecer. Se calhar o objectivo não é mesmo dar a conhecer os produtos, é mesmo fazer dinheiro, a questão é que os espaços também são um negócio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo (quer identificar-se?),
      Obrigado pelo comentário.

      Eliminar
  5. Francisco, eu sei disso.
    A questão, parece-me, é que começam a surgir profissionais das provas grátis. Depois quantos destes verdadeiramente compram os vinhos em prova? Atrevo-me a dizer que algumas provas são, não sei, momentos para bebermos uns copos. Contudo, não tenho opinião totalmente formada sobre o assunto, como diz o Francisco é uma faca de 2 gumes. Um abraço

    ResponderEliminar
  6. ...mas como disse começo a ser adepto, apesar dos riscos. O futuro nos dirá se é ou não uma medida acertada. Um grande abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelos seus comentários. A ver vamos...
      Abraço

      Eliminar
  7. Em primeiro lugar obrigado por fazer referência à Mercearia do Vinho, o tal espaço de reduzidas dimensões (não sabia que o tamanho contava nestas coisas dos vinhos portugueses), e de uma oferta de mínimos(a volta de 750 referencias)de pequenos e médios produtores. Sempre pensei que estes espaços deviam ser acarinhados e não desqualificados. Numa próxima visita venha com mais tempo, pois os 2 minutos que passou não deu para perceber o projecto. Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo,
      Foi pena não ter comentado na altura. A minha crónica já tem mais de 2 anos!

      Eliminar