terça-feira, 4 de agosto de 2015

Curtas (LXII) : esplanadas

1.Le Chat
Situa-se junto ao Museu Nacional de Arte Antiga, com vistas para o Tejo. Vale a pena lá ir, antes ou depois de uma ida ao MNAA, onde se pode visitar, até 6 de Setembro, a interessante exposição de obras da pintora Josefa de Óbidos (1630-1684).
Na última vez apostei na petiscaria (peixinhos da horta, tempura de camarão, picapau de atum e salada César) e não me arrependi.
A lista de vinhos, sem anos de colheita, tem algumas referências interessantes. Optei por um copo do branco Assobio 2013 (4,30 €, um preço um tanto exagerado) - presença de citrinos, fresco e mineral, acidez no ponto; gastronónico, acompanhou bem a petiscaria. Nota 16.
Lamentavelmente, o vinho já vinha servido, embora num bom copo e em quantidade simpática.
Serviço algo desorientado, mas a excelência da esplanada faz perdoar os pontos negativos.
2.Senhor Peixe
Costumava ir, de vez em quando, a este simpático restaurante no Parque das Nações, um dos poucos que sobreviveu.
 Mas, desta vez, correu francamente mal. Para além de peixe grelhado, pedimos uma dose de ameijoas que era de dimensão reduzida, embora custasse 13,50 €. Mas mais grave, cerca de um terço das cascas vinha vazia. Feita a reclamação e tendo perguntado se achavam que tinhamos cara de turistas, o empregado deu-nos uma desculpa esfarrapada. Quando veio a conta sempre pensei que tivessem em atenção a referida reclamação. Ingenuidade da minha parte, não retiraram nem um cêntimo. Uma autêntica roubalheira!
Senhor Peixe, nunca mais!
3.O Púcaro
É o último restaurante do Guincho, já sem vistas para o mar e no meio do arvoredo. Tem uma boa esplanada e o peixe mais barato de toda a linha.
Recomendo vivamente!


Sem comentários:

Enviar um comentário