terça-feira, 24 de novembro de 2015

Curtas (LXVIII) : mais provas e confirmações

1.Concurso de Vinhos do Crédito Agrícola
Depois de ter andado a provar umas dezenas largas de vinhos (EVS 2015, Vinhos do Alentejo, DistriWine, Decante e Tourigas) e de ter participado no painel "Escolha da Imprensa", fiz parte do juri deste 2º Concurso (também estive no 1º, em 2014), a convite do Rodolfo Tristão, presidente da Associação dos Escanções de Portugal, aberto à participação dos produtores associados e clientes do Crédito Agrícola.
Em prova, na minha mesa, estiveram 16 vinhos (na Escolha da Imprensa era o dobro), mas desta vez nenhum me apaixonou. Ossos do ofício...
2.Rota de Tapas
Decorreu em Lisboa de 15 de Outubro a 1 de Novembro, com o patrocínio da cerveja Estrella Damm, mais uma edição desta Rota de Tapas.
Optei por comer a tapa do Lateral (Travessa dos Remolares,41 ao Cais do Sodré) que consistiu numas saborosíssimas bolinhas de alheira de caça com mostarda, mel e tomate seco que me custou 3 €, com direito a uma cerveja Estrella. Para completar, avançou um prego de atum com batatas fritas.
Foi a 1ª vez que participei na Rota, mas fiquei cliente.
3.Lisboète
Tenho referido em diversas crónicas (a última a propósito do Restaurant Lisboa Week) este espaço de restauração que muito me agrada, não só a gastronomia como o serviço.
Foi, pois, com muita satisfação que li a crítica do Fortunato da Câmara, publicada na separata E do Expresso (14 de Novembro), intitulada "A França em mesa lisboeta". Termina assim o escrito do crítico: "(...) A belíssima cozinha francesa que serve neste Lisboète fez-nos feliz sem termos de ir a Paris". Assino por baixo!
4.O 1º Direito
Também já referi este agradável e sossegado espaço situado nas bordas de Monsanto e em cima do campo de râguebi de Direito. A comida é apresentada em bufete e há sempre boas ofertas. Quanto a vinhos, a oferta é fraca. Ou bebo água ou levo alguma garrafa da minha garrafeira.
Mas, numa visita recente, apercebi-me da existência de um vinho que me despertou a curiosidade e não resisti prová-lo (e bebê-lo, claro):
.Palpite David J. Booth & António Maçanita Reserva 2013 (V.R.Alentejano) - com base nas castas Arinto (60%), Antâo Vaz (20%) e Verdelho (20%), estagiou 12 meses em barricas de carvalho francês; nariz contido, notas minerais, acidez incrível, simultaneamente fresco e com acentuado volume de boca, final longo. Uma boa surpresa que gostaria de voltar a provar daqui a 5/6 anos. Nota 17,5+.

Sem comentários:

Enviar um comentário