terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Almoço com vinhos fortificados (23ª sessão) : brancos de eleição, 1 tinto em grande forma, 1 Madeira de luxo e 1 Porto de 100 pontos

O núcleo duro dos Vinhos da Madeira e outros fortificados voltou a reunir-se, mas desta vez na Enoteca de Belém. Este almoço foi a meu convite e, na sua quase totalidade, com os vinhos da minha garrafeira (3 brancos 2012, 4 tintos 2008 e 2 Madeiras). Este lote foi reforçado com a inclusão de 2 Porto Vintage trazidos pelo nosso amigo Adelino, a quem estou muito grato.
A bebida de boas vindas foi o espumante Qtª das Bageiras Rosé 2013, uma simpática oferta da casa que cumpriu bem a sua função. Na sequência do repasto, desfilaram:
.Soalheiro Alvarinho Reserva - muito equilibrado e elegante, notas florais, alguma gordura, acidez no ponto e algum volume. Nota 17,5+ (noutras situações 17,5/18).
.Secretum - é um Douro 100 % Arinto; muito fresco, acidez q.b., notas fumadas, alguma gordura, volume e final consideráveis. Pouco conhecido em Portugal, é possuidor de um invejável palmarés (17 pontos atribuídos pela Jancis Robinson, 90 na Wine Enthusiast e 90 pelo Mark Squires, o braço direito do Parker). Nota 17,5+ (noutras 17,5/18).
.Pai Abel - acidez assinalável, fruta presente, alguma gordura, simultaneamente elegante e volumoso, complexidade q.b. Nota 18 (noutras 18/18).
Estes 3 brancos acompanharam uma entrada de pampo em escabeche, agradável mas sem impressionar (o melhor do repasto estava, ainda, para vir).
.Borges Sercial 1979 - frutos secos, vinagrinho no ponto, notas de iodo e brandy, alguma gordura, elegância, volume notável e final impressionante. Foi o melhor dos vinhos desta jornada. Impressionante! Nota 19 (noutras 18,5/18,5/19/19).
Fez a limpeza do palato e foi acompanhado por um saborosíssimo puré de castanhas com cogumelos e nozes.
.Calda Bordaleza - ainda com fruta, elegante e especiado, belíssima acidez, todo ele muito equilibrado, bom volume e final de boca. Para mim, o melhor Calda Bordaleza desde sempre. Nota 18 (noutra 18+).
.Qtª das Bageiras Garrafeira - austero, demasiado rústico para o meu gosto, taninos algo agressivos e demasiado adstringente. Foi a decepção da jornada. Nota 16,5 (nunca o tinha provado anteriormente).
Acompanharam um robusto lombo de bacalhau.
.Antónia Adelaide Ferreira - arma exuberante, ainda com muita fruta e juventude, notas florais, bela acidez, especiado, volume pronunciado e muito persistente. Em forma mais 5/6 anos. Nota 18,5+ (noutras 18,5/17,5+/18/18,5/18,5/18).
.Pintas - nariz contido, notas florais, fino e elegante, acidez no ponto, volume médio e alguma persistência. Esta colheita está uns furos abaixo do que seria de esperar. A beber nos próximos 2/3 anos. Nota 17,5+ (noutra 17).
Estes 2 tintos maridaram muito bem com uma excelente empada de pato.
.Taylor's 1994 - ainda com fruta e juventude, taninos firmes, algum volume e complexidade, final de boca muito longo. É um dos poucos que mereceu 100 pontos na Wine Spectator. Nota 18,5.
.Burmester 1970 - muito redondo e adocicado, alguma acidez e persisteência. Nota 17,5 (noutra 16,5).
Foram acompanhados por queijos (S.Jorge e Manchego).
.JBF Bual 1900 - cheio de saúde, frutos secos, vinagrinho, notas de iodo e brandy, algum volume e final interminável. A beber com todo o respeito. Nota 18,5+ (noutra 18,5).
Fizeram-lhe companhia bolo de mel da Madeira e um belissimo bolo de noz feito na Enoteca.
Foi mais uma grande jornada de convívio, comeres e beberes, também graças à equipa da casa, com o Ricardo nos tachos e o Nelson na sala. Serviço de vinhos 5 estrelas com copos Riedel e temperaturas rigorosas.
A propósito, a Enoteca de Belém foi destinguida o "Melhor Wine Bar do Ano" pelo Aníbal Coutinho e o Nelson foi um dos nomeados para o prémio do melhor escanção, atribuído pela revista Wine. Parabens à equipa!

2 comentários:

  1. Caro Francisco. Parece que estamos em sintonia. Bebi o Borges Sercial 1979 na última 6ª feira e concordo plenamente consigo. Pena que não tivesse sido decantado com alguma antecedência... Continuo a achar que os Madeira beneficiam muito se decantados entre 12 a 24 horas (se não mais) de antecedência.
    Grande abraço

    Paulo Bento

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paulo Bento,
      Obrigado pelo comentário. Estamos na mesma onda!
      Abraço

      Eliminar