terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

José António Salvador (JAS) : o mundo do vinho ficou mais pobre

O José António Salvador deixou-nos! Conheci o JAS durante o chamado PREC e ficámos amigos para sempre. Ele não tinha telhados de vidro, embora fosse, por vezes, algo fundamentalista nas suas sinceras opiniões, criando-lhe alguns inimigos.
 Além de biógrafo do Zeca Afonso, foi crítico e divulgador de vinhos, tendo publicado 13 Roteiros de Vinhos Portugueses de 1991 a 2003, 2 ou 3 Roteiros Gastronómicos e outras obras de maior fôlego. Em 20/4/2010 publiquei a crónica "Críticos e divulgadores de vinhos", onde se podem encontrar referências mais pormenorizadas à sua obra.
Começou no semanário "O Jornal", coordenando a separata "Vinhos & Gastronomia", precisamente onde o João Paulo Martins se iniciava neste mundo do vinho, tendo na introdução ao guia "Vinhos de Portugal 2014" referido "(...) José A. Salvador com quem demos os primeiros passos nesta aventura dos vinhos, de quem sempre recebi o incentivo para ir em frente (...)". Continuou na SIC e, nestes últimos anos, fazia crítica de vinhos na Visão.
Foi, ainda, o primeiro a enaltecer a excelência dos vinhos do Buçaco e, também, os da Madeira, produzidos pela empresa familiar Artur Barros e Sousa.
Em relação às Coisas do Arco do Vinho, o JAS foi uma das personalidades do mundo do vinho que nós (o Juca e eu) contactámos quando da preparação do nosso projecto. Quando abrimos a loja, o nosso portefólio de vinhos não contemplava qualquer vinho estrangeiro, o que viemos a corrigir na sequência de algumas críticas fundamentadas sobre essa lacuna, nomeadamente formuladas pelo JAS.
Termino com o título do 1º capítulo do 1º Roteiro do JAS: "O vinho é um copo de amizade". Bebamos, então, à sua memória!

6 comentários:

  1. Foi com muita tristeza que soube da morte deste SENHOR,pois tinha por ele um grande respeito pela sua maneira digna e honesta de estar na vida.Com ele e com outro grande Senhor - David Lopes Ramos - o jornalismo do mundo do vinho e das comidas ficou muito mais pobre e eu perdi dois Senhores que fizeram o favor de serem meus Amigos.
    Acabo de ler o último livro do Fortunato da Câmara e da sua leitura resulta que o atras exposto é ainda mais real e atual.Até SEMPRE JAS

    ResponderEliminar
  2. Olá Juca (penso que és tu o anónimo),
    Boa intervenção. Assino por baixo!
    Um abração

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpa não ter assinado mas....esqueci-me (a idade não perdoa).Um abração Juca

      Eliminar
  3. De facto, uma grande perca. Era sempre um prazer lê-lo. Com excepção deste post,a sua morte passou despercebida - pelo menos eu não vi mais nenhuma referência à mesma.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Artur,
      Obrigado pelo comentário. Felizmente não estive isolado. O João Paulo Martins prestou também a sua homenagem no Expresso.
      Um abraço,
      Francisco

      Eliminar
    2. Caro Artur,
      Obrigado pelo comentário. Felizmente não estive isolado. O João Paulo Martins prestou também a sua homenagem no Expresso.
      Um abraço,
      Francisco

      Eliminar