quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Rabod' Pêxe : uma aposta nos produtos açorianos

Este original espaço, situado na Av. Duque d' Avila, 42 (entre as avenidas da República e 5 de Outubro) não é um restaurante de comida açoriana, como o nome pode fazer crer, mas antes uma aposta no peixe e na carne vindas dos Açores.
É um espaço moderno onde a maior parte das mesas, algumas demasiado em cima de outras, não permitindo qualquer privacidade, está concentrada numa magnífica esplanada interior. Logo à entrada encontram-se umas quantas bancas, onde se pode escolher o peixe ou marisco. A ementa tem ainda, para além de pratos de peixe, carne e sushi, uma outra categoria que dá pelo curioso nome de "surf and turf", uma mistura de peixe e carne. Resta informar que o responsável pela cozinha é o chefe Filipe Rodrigues, que esteve na base do projecto Sea Me.
Visitei este espaço já por 2 vezes, tendo escolhido pota com milho frito mais novilho com lingueirão (na 1ª visita) e cavala fumada mais tártaro de novilho (numa 2ª visita), tudo saborosíssimo e bem apresentado. Serviço, em geral, desembaraçado, super simpático, mas por vezes demasiado familiar.
Quanto a vinhos, inventariei 7 espumantes, 3 champanhes, 37 brancos, 6 rosés e 40 tintos, oferta mais do que suficiente. A lista não contempla vinhos fortificados, mas não cheguei a perguntar se os tinham (alguns restaurantes optam por os colocar na carta do bar). Fiquei, portanto, na dúvida.
O Rabod' Pêxe possui uma dependência climatizada para tintos, cuja temperatura (18º) é excessiva. Para apoio imediato, dispõem de armários térmicos "La Sommelière", com 2 temperaturas (5º e 12º), o que não faz muito sentido.
A copo só consta o vinho da casa, mas facilitam ao cliente abrir uma ou outra garrafa mais do seu gosto. Em qualquer das 2 visitas, optei pelo Adega Mãe Chardonnay 2013 (4,50 €) - presença de citrinos, acidez equlibrada, notas fumadas intensas, alguma gordura e volume assinalável. Muito bem construido e gastronómico, ligou muito bem com os pratos escolhidos. Nota 17,5.
A garrafa veio à mesa, dado a provar num bom copo Spiegelau e servida uma quantidade correcta (+- 15 cl), embora a olho.
Tenciono voltar e recomendo este original espaço, garantindo a qualidade da matéria prima, quase toda ela açoriana.

Sem comentários:

Enviar um comentário