terça-feira, 15 de março de 2016

Curtas (LXXIII) : Pátio Alfacinha e Atalho revisitados

1.Páteo Alfacinha
Já foi objecto de crónica em 18/8/2015 (ver "Curtas (LXIV)...") na sua versão de verão, a dar pelo nome de Horta. Agora, no inverno, passa a ser Mercearia, um espaço coberto e confortável, onde se encontra a loja onde vendem vinho e outros produtos (nalgumas garrafas havia diferença de preços entre o expositor e a carta, certamente por lapso).
Em prato aquecido comi um delicioso arroz Calaparra de peixe e mariscos, antecedido de um agradável couvert. Serviço eficiente e atencioso (com o café vieram uns bolinhos de oferta).
Quanto a vinhos, registei um retrocesso em relação à primeira visita, pois a copo (estou a referir-me a brancos, mas o mesmo acontece com os tintos) só tinham o vinho da casa, o Montinho de São Miguel (3 €, que deve ser o preço de uma garrafa), demasiado simples e francamente desinteressante. Nota 12,5.
A reserva da mesa foi feita através do site The Fork (que comprou a Best Tables), acumulando pontos, o que dará direito a um desconto ao fim de umas tantas marcações.
2.Atalho
Também já foi referido aqui em 20/6/2015 (ver "Atalho Real..."). A música, bem por cima das nossas cabeças, estava aos berros, mas baixaram-na a pedido. Serviço simpático e super rápido.
Desta vez experimentei a picanha no prato com 2 acompanhamentos (12 €): gratin dauphinois (rodelas de batatas gratinadas, com natas e orégãos, mas que não dei por eles...) e coleslaw (couve, cenoura e maçã com molho maionese). Estava tudo bom, mas a maminha provada na primeira visita era melhor.
Quanto a vinhos, a lista é curta, sem indicação dos anos de colheita e oferece uma meia dúzia a copo.
Optei pelo tinto Palhacanas 2011 (3,50 €) - ainda com muita fruta, acidez nos mínimos, taninos de veludo, algum volume e final de boca. Nota 16,5. A escolha deste vinho foi mais por curiosidade, pois me lembrava que foi um dos vinhos mais procurados nos primeiros tempos do arranque das CAV, por ter sido elogiado num programa noticioso da BBC.
A garrafa veio à mesa, o vinho dado a provar num bom copo e servido em quantidade generosa, com a temperatura nos limites (a meio do almoço, já estava quente...).

Sem comentários:

Enviar um comentário