quinta-feira, 31 de março de 2016

Grupo dos 3 (49ª sessão) : quando um branco ultrapassa dois tintos Prémio Excelência

Mais uma sessão deste núcleo duro de enófilos, tendo sido eu a levar os vinhos (1 branco, 2 tintos de 2009 e 1 fortificado) e a escolher o restaurante, que foi o Faz Gostos (R. Nova da Trindade,11). Este projecto nasceu em Olhão e passou por Castro Marim e Faro, antes de aparecer em Lisboa, pela mão do mentor, Duval Pestana de seu nome. Mas, neste momento, a gestão do Faz Gostos está entregue à sua mulher, Elisabete Pires, responsável pela cozinha, e à sua filha, Ana Pestana, que impera na sala.
O restaurante está muito bem entregue, com a gastronomia à altura e a gestão da sala, nomeadamente o serviço de vinhos, deveras profissional, enquanto o Duval gere um novo projecto em São Paulo.
Todos os vinhos foram provados às cegas, tendo sido previamente decantados. Desfilaram:
.Qtª dos Carvalhais Branco Especial - com base nas castas Encruzado, Gouveio e Sémillon e origem nas colheitas de 2005 e 2006, foi engarrafado em 2015 (!), tendo envelhecido 10 anos em barricas de carvalho; linda côr palha, grande complexidade aromática, frutos secos, notas florais e fumadas, belíssima acidez, alguma gordura, volume e final de boca notáveis. Apesar dos seus 14,5 % vol. não se sente o álcool. Um branco de classe mundial. Nota 18,5.
Maridou bem com as entradas (polvo laminado à galega e triologia de salgados - rissol de berbigão, pastel de massa tenra e croquete de vitela).
.Qtª dos Carvalhais Único (Prémio Excelência 2012 da RV) - 100 % Touriga Nacional; ainda com alguma fruta, acidez equilibrada, notas florais, algum especiado, fino e elegante, bom volume e final muito longo. Era a garrafa nº 1211. Pode-se esperar por ele mais 6/7 anos. Nota 18.
.Adega Mayor Siza (Prémio Excelência 2014 da RV) - 100 % Alicante Bouschet; notas de lagar, couro e tabaco, acidez fabulosa, algum volume e final de boca; mais subtileza do que potência. Em forma mais 3/4 anos. Nota 17,5.
Estes 2 tintos foram provados em simultâneo e bem acompanhados com um prato de peixe (filetes de peixe galo com arroz de lingueirão)  e um de carne (lombinhos de porco recheado com alheira de caça).
.Carcavelos Qtª do Barão Última Reserva - frutos secos, algum vinagrinho, volume e final de boca médios. Meio seco, apresenta um perfil com algumas semelhanças a um Porto tawny. Foi o elo mais fraco do almoço. Nota 17+.
Acompanhou um belíssimo toucinho do céu.
Foi mais uma boa jornada, com um branco excepcional a impor-se aos tintos. ambos Prémio Excelência, atribuído pela Revista de Vinhos. Resta dizer que os copos Schott e Walter-Glas, os decantadores e as temperaturas dos vinhos estiveram à altura dos acontecimentos.

Sem comentários:

Enviar um comentário