terça-feira, 8 de março de 2016

Lisboa Restaurant Week : Reserva by Olivier, prós e contras...

Nesta edição do LRW, estava inscrito em 2 restaurantes, o Faz Gostos e este Reserva by Olivier. Só que uma arreliadora sinusite, que me obrigou a tomar um antibiótico, fez-me cancelar a ida ao Faz Gostos e inibiu-me de beber vinho no segundo espaço. Mas ficam aqui as minhas impressões (prós e contras) do Reserva by Olivier.
Ambiente informal mas, simultaneamente, algo requintado. Mesas completamente despojadas, mas com guardanapos de pano. Portas de acesso à varanda a ficarem abertas com muita frequência, provocando incómodas correntes de ar a quem estava na sala. Só se resolveu quando uma empregada mais inteligente resolveu fechar uma das portas interiores, mesmo junto à mesa onde me encontrava.
Começando pelo menú, tanto a entrada (trilogia: alheira de caça, salada Waldorf e salmão curado) como a sobremesa (toucinho do céu, que foi substituído por petit gateau com gelado, sem que tivesse sido alterada a ementa) não tinham alternativa. Apenas no prato prato principal se podia optar entre o folhado de garoupa, gambas e espinafres e o linguini de trufa e parmesão. Em má hora, escolhi este prato vegetariano que não tinha qualquer sabor. Mas quem escolheu o folhado também não o elogiou.
Resumindo, a gastronomia do Reserva by Olivier não é o seu ponto forte.
O que me surpreendeu fortemente foi a aposta no sector vínico. Inventariei 9 brancos, 45 tintos e 3 rosés, numa carta que lamentavelmente não inclui os anos de colheita. A copo, a oferta é mais que generosa, pois pode-se escolher entre os 48 vinhos que se encontram nas 6 máquinas Enomatic, cujas temperaturas (15º e 7º) são as adequadas aos tintos e brancos, respectivamente.
Para a mesa vieram 2 copos do tinto Passagem Reserva 2012 (tinham dito que era de 2013, mas afinal não era!), a valerem 5 € cada, um preço justo atendendo ao espaço.
Ainda mais surpreendente é a aposta nos grandes formatos, onde se encontram disponíveis 12 magnum, 4 de 3 litros e 3 de 5 litros. É obra!
Mas, por outro lado, os espumantes e os fortificados (quando questionado o empregado, não sabia o significado desta expressão!) só constam na lista do bar, o que inviabiliza a hipótese de se acompanhar a refeição com um espumante. Mais uma contradição deste Olivier.
O serviço é deveras simpático (substituiram uma das sobremesas, a pedido), mas algo descoordenado (só cobraram os vinhos, depois de termos chamado a atenção para essa omissão).
Como nota final, verifiquei que a maioria dos clientes presentes ou eram turistas ávidos de sol (e estavam na varanda) ou eram nacionais do tipo que estavam ali para serem vistos (e estavam na sala).
Concluindo, este Reserva é um espaço de prós e contras, que tanto pode cair para o lado bom como descambar para o outro lado.

Sem comentários:

Enviar um comentário