quinta-feira, 3 de março de 2016

Mercado da Ribeira : matar saudades de vez em quando


O Mercado da Ribeira é um dos meus refúgios, onde abanco quando estou disponível e sem compromissos para visitar outros espaços. E isto, apesar de alguma incomodidade provocada pelas correntes de ar nesta altura do ano, problema que a Time Out ainda não conseguiu resolver. Últimas visitas:
1.Marlene Vieira
Há já algum tempo, fui matar saudades na banca da Marlene Vieira, onde comi um inesquecível e excelente arroz cremoso de berbigão à Bulhão Pato com tataki de espadarte rosa (10 €).
A sobremesa, fui buscá-la à Cozinha da Felicidade, uma saborosa tarte de alfarroba (2 €).
Quanto à bebida, abasteci-me no Bar da Odete, tendo optado por um copo de Prova Régia Reserva 2014 (2,50 €) - muito frutado e fresco, notas minerais, boa acidez, algum amanteigado e persistência final. Excelente relação preço/qualidade e servida uma boa quantidade. Nota 16,5.
2.O Prego da Peixaria
Nunca tinha abancado aqui e tinha alguma curiosidade, até porque não conheço a casa mãe no Príncipe Real. Escolhi o Rockabilly (8,50 €) e batatas onduladas a que chamam Marilyn (1,50 €). Este prato é à base de carne do lombo, queijo de Azeitão (só se vislumbra com uma lupa...), compota de cebola e moscatel, tudo em bolo do caco. Agradável, mas sem deslumbrar.
Quanto ao vinho, fui mais uma vez ao Bar da Odete, onde optei por um copo do tinto Prazo de Roriz 2012 (4 €) - alguma fruta e acidez, rusticidade q.b., taninos bem presentes, volume e final de boca médios. Deverá afinar com a idade. Nota 16.
A sobremesa foi um apetitoso pastel de nata (1,50 €), comprado na recente Padaria do Mercado.
3.Outros
Quando me desloco ao Mercado da Ribeira, aproveito para comprar e levar para casa os fabulosos croquetes da Croqueteria que vão servir de base ao meu jantar. O tradicional e o de alheira (1,50 € cada) são os meus preferidos. Na última visita, também levei o de perdiz com cogumelos do bosque (2 €), mas a diferença na qualidade não justifica o preço.
Mais recentemente, experimentei provar uma viruta (1,50 €) na Manteigaria Silva. É uma agradável tostinha com presunto, muito procurada pelos turistas que, cada vez mais, enxameiam o Mercado da Ribeira.
4.Skrei Fest
Até ao final de Abril, este bacalhau da Noruega pode ser provado nalgumas bancas do Mercado da Ribeira, com pratos especialmente preparados pelos respectivos chefes, nomeadamente no Alexandre Silva, Asian Lab, Confraria do Sushi, Henrique Sá Pessoa, Marlene Vieira, Miguel Castro e Silva, Sea Me e Tartar-ia.

6 comentários:

  1. Francisco,
    O Mercado da Ribeira não está ao alcance do comum mortal, português. Pelos seus relatos, vejo uma refeição na ordem dos € 15. Com 12% de desempregados, 2 milhões de pobres, e ordenado médio em Portugal a rondar os € 800, não está mesmo ao alcance de qualquer um. Mas, pelo menos, que seja um espaço para aqueles que podem. Já vi o espaço mais cheio, quando abriu e era moda. Hoje em dia já se consegue encontrar uma mesa vazia. Mas continua a não ser barato. Não percebo é a constante mudança de "dono" em alguns espaços. Será que aquilo não é rentável ou as rendas é que são um absurdo? Enfim... Também já vi o mercado de Campo de Ourique ou o de Algés mais cheios.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo (quer identificar-se?),
      Obrigado pelos seus oportunos comentários.
      Concordo que uma refeição por 15 € não é para toda a gente. No entanto, é possível comer por menos. Depende do que se escolher.

      Eliminar
  2. Francisco,

    Já fui umas 4 ou 5 vezes ao Prego da Peixaria e já comi esse Rockabilly, que me parece o pior de todos. No meu caso sentia-se o queijo, assim como o moscatel. O sabor do lombo é que se esfumou face a tão impositivos comparsas! Se voltar experimente outros que convivem melhor com o bife! E o de atum também é muito bom.

    _Duartecalf_

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo Duarte Calvão,
      Obrigado pelas suas dicas. Vou corrigir a pontaria na próxima ida.
      Abraço

      Eliminar
  3. Francisco,

    O Calf não é de Calvão, são apenas as iniciais dos meus apelidos! Fico lisonjeado com a confusão com tão ilutre crítico, mas o seu a seu dono!
    Duarte Freitas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Duarte,
      O seu a seu dono. Obrigado pela correcção.

      Eliminar