sábado, 28 de maio de 2016

Vinhos em família (LXXII) : continuando com a colheita 2008

Mais 4 vinhos (2 brancos 2013 e 2 tintos 2008) degustados sossegadamente em casa, com os rótulos à vista e sem a pressão da prova cega. Dois confirmaram a expectativa que tinha sobre eles e os outros dois ficaram aquém do esperado. Ei-los:
.Inspirações Reserva 2013 - lançado para comemorar os 25 anos do Clube 1500 da Sogrape, com base nas castas Arinto (60 %) e Viosinho (40 %); estagiou 12 meses em barricas e mais de 1 ano em garrafa; aroma austero, alguma acidez e secura a fazer lembrar alguns brancos da Andaluzia, notas de fruta de caroço, madeira ainda por casar, volume considerável, mas pouco equilibrado de momento. Esperava mais. Nota 16.
.Morgado Stª Catherina Reserva 2013 (91 pontos na Wine Enthusiast) - um festival de aromas de citrinos e algum tropical, acidez própria da casta Arinto, notas amanteigadas, madeira bem casada, volume e final de boca consideráveis. Excelente relação preço/qualidade. Nota 17,5+.
.Charme 2008 - nariz contido, fresco e elegante, taninos suaves, volume e final de boca médios. Muito ao estilo borgonhês e longe do nosso palato, a beber nos próximos 6/7 anos. Omisso quanto a castas utilizadas e tempo de estágio em barrica e na garrafa (não tem contra-rótulo, uma mania do Dirk que não se entende). Nota 17.
.DODA 2008 - classificado como vinho de mesa (burocracias do IVV que, também, não entendo); nariz presente, frutado e especiado, acidez no ponto, fino e elegante, taninos sedosos, volume e final de boca apreciáveis. Em forma mais 6/7 anos. Nota 18.
Vale a pena ver o rótulo e o que dizem do vinho os seus autores Álvaro de Castro ("fino, expressivo e complexo") e Dirk van Niepoort ("encorpado, rico e taninoso").
De notar que à excepção do Morgado (com 14 % vol de álccol), todos os outros se ficaram pelos 13,5 % vol de álcool, o que é de louvar.

Sem comentários:

Enviar um comentário