quinta-feira, 16 de junho de 2016

Curtas (LXXVII) : Barca Velha, Rosés, Madeira e Vinhão

1.Barca Velha 2008
Ontem, o Luis Sottomayor, enólogo responsável pelos vinhos da Casa Ferreirinha, anunciou que foi aprovada como o 18º Barca Velha a colheita 2008 que estado no forno estes anos todos. Este ícone dos vinhos portugueses será apresentado em Outubro e comercializado a tempo de festejar o próximo Natal.
Eu, como sócio do Clube Reserva 1500 da Sogrape, terei o privilégio de o comprar ao preço de venda, antes da especulação habitual.
Mais informações em www.sograpevinhos.com.
2.O painel dos rosés
A Revista de Vinhos, no seu número de Junho, publicou os resultados de um alargado painel de prova que apreciou 40 rosés, tendo saído como vencedor absoluto o Vinha Grande 2015. A Sogrape continua de parabéns!
Pena foi que os emblemáticos e caros Principal Rosé Tête de Cuvée e MR Premium Rosé, não tivessem sido incluídos. Nem tão pouco o algarvio Barranco Longo, para mim o mais interessante rosé que se faz em Portugal. Teria sido interessante ver como se comportariam face à concorrência.
3.A propósito do Vinho da Madeira
Escreveu o Rui Falcão na separata Fugas de 11 de Junho que "(...) O Vinho da Madeira é será um vinho de nicho, um vinho para especialistas e apaixonados, um vinho de convertidos à causa. (...) É um vinho rico e intelectual, um dos melhores do mundo, um vinho eterno e poderoso."
Concordo inteiramente, mas deixo de fora algum Vinho da Madeira, nomeadamente aqueles mais imberbes ou que nem sequer exibem o nome da respectiva casta.
4.A propósito da casta Vinhão
Em recente crónica do João Paulo Martins, publicada no Expresso, a propósito da Vinhão e outras castas tintureiras, refere "(...) É verdade que ainda há alguns adeptos do "pinta a caneca", mas não vou por aí, até porque recuso beber vinho em caneca e nesse capítulo não abro exceções de cariz etnográfico. (...)".
Eu também não!

Sem comentários:

Enviar um comentário