domingo, 17 de julho de 2016

Vinhos em família (LXXIII) : um pouco de tudo

Mais uns tantos vinhos provados em família, despreocupadamente com os rótulos à vista e sem a pressão da prova cega. Foi um pouco de tudo: 2 brancos, 1 rosé, 1 tinto e 1 fortificado. Um dos brancos e o rosé foram oferta da Sogrape, uma excepção ao princípio de não aceitar amostras para prova. E eles foram:
.Druída Encruzado Reserva 2013 (produzido e engarrafado por C20, Lda !?) - a partir de uma vinha situada a 500 metros de altitude; presença de citrinos, algum tropical, fresco e mineral, notas amanteigadas, volume e final médios. Uma boa e intrigante surpresa. Nota 17,5.
.Herdade do Peso Sossego 2015 branco - enologia de Luis Cabral de Almeida, com base nas castas Arinto, Roupeiro e Antão Vaz; muito fresco e frutado, boa acidez, volume e final médios; gastronómico e excelente relação preço/qualidade. Nota 16+.
.Herdade do Peso Sossego 2015 rosé - enologia de Luis Cabral de Almeida, com base na Touriga Nacional; presença de morangos no aroma e na boca, acidez nos mínimos, desaparece rápido. Não acrescenta nada ao portefólio da Sogrape. Nota 14.
.Casa de Santar Reserva 2012 - estagiou em barricas de carvalho francês; alguma fruta e notas florais, acidez perfeita, especiado, madeira bem casada, taninos elegantes, algum volume e bom final de boca. Boa relação preço/qualidade. Nota 17,5+.
.Moscatel Alambre 20 Anos (engarrafado em 2011) - presença de citrinos (tangerina) e frutos secos, boa acidez, notas de iodo a lembrar alguns Madeiras, algum volume e final de boca acentuadamente longo. Este 20 Anos tem mais idade do que a anunciada e é, sempre, uma boa aposta. Excelente relação preço/qualidade. Nota 18,5.

Sem comentários:

Enviar um comentário