quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Vinhos em família (LXXIV) : 4 brancos de 2013 e 1 tinto de 2011

Mais uma sessão de provas, no sossego do lar, com os rótulos à vista e sem a pressão de tentar perceber a origem dos mesmos, as castas ou os anos de colheita. E eles foram :
.Anselmo Mendes Curtimenta Alvarinho - aroma intenso, presença de citrinos e de fruta madura, notas florais, acidez equlibrada, alguma gordura e fumo, volume acentuado e bom final de boca. Ainda longe da reforma. Nota 17,5+.
.Qtª das Bageiras Pai Abel - nariz austero, citrinos, notas florais, acidez no ponto, sofisticado, alguma gordura, madeira ainda presente, algum volume e final de boca. Precisa de mais 2/3 anos para atingir um maior equilíbrio. Menos interessante que o 2012. Nota 17,5.
.Qtª das Bageiras Garrafeira (garrafa nº 2667/3008) - com base nas castas Maria Gomes e Bical, fermentou em tonéis de madeira avinhada; nariz austero, notas florais, algum vegetal, ainda muito marcado pela madeira, acidez equilibrada, alguma gordura e volume, Desiludiu. Nota 16.
.Vértice Grande Reserva - engarrafado em Novembro de 2015; aromático, presença de citrinos e fruta de caroço, fresco e mineral, acidez no ponto, madeira bem casada, algum volume e final de boca.Uma boa surpresa, em forma mais alguns anos. Nota 17,5+.
.Zom Grande Reserva (Barão de Vilar) - engarrafado em Novembro de 2013; enologia de Alvaro van Zeller, com base nas castas Touriga Nacional, Touriga Franca e, ainda, em vinhas velhas; retinto, ainda com muita fruta, notas de tabaco e chocolate, acidez equilibrada, taninos a imporem-se, grande volume e final longo. Só lhe falta um pouco mais de frescura para dar o salto para outro patamar. Pronto a beber, mas aguenta mais 4/5 anos. Nota 17,5+.

Sem comentários:

Enviar um comentário