terça-feira, 15 de novembro de 2016

Curtas (LXXXI) : Dom Joaquim, Mercantina e Descobre

1.Dom Joaquim
Não conhecia este restaurante situado em Évora. Em recente visita fiquei deveras agradado, pois tem uma cozinha alentejana bem sólida, da responsabilidade do Joaquim Almeida, proprietário e a alma do negócio, uma boa carta de vinhos centrada no Alentejo e no Douro, a preços sensatos, bons copos, armários térmicos e um serviço simpático e eficiente. Que mais se pode pedir?
Comi o arroz de lebre, um dos pratos emblemáticos da casa, acompanhado pelo tinto Tiago Cabaço Vinhas Velhas 2012 (nota 17,5). Quanto a sobremesas, é também um ponto forte deste espaço mas, lamentavelmente, não registei o que comi.
Recomendo e tenciono voltar.
2.Mercantina
Visitei a Mercantina do Chiado, que nasceu depois da badalada Mercantina de Alvalade. É a antítese do Dom Joaquim. A lista de vinhos está demasiado centrada no Sul, tendo inventariado 2 espumantes (1 a copo),7 brancos (4), 7 tintos (4), 2 rosés (1), 4 Portos, 1 Moscatel do Douro e 8 italianos.
Os anos de colheita estão omissos, os brancos da região dos Vinhos Verdes separados dos outros brancos, os tintos estão à temperatura ambiente e os vinhos a copo já vêm servidos para a mesa. Só desgraças!
Música de fundo muito alta e guardanapos de papel nas mesas...
Aos almoços de 2ª a 5ª feira, este espaço tem uma sugestão do dia que custa 9,80 €, com direito ao prato (que era uma banal spaghetti com almondegas e mozzarella fundida), a bebida (exclui vinho!?) e café. Já não me lembro o que bebi, mas deve ter sido água...
Não aconselho, nem tenciono voltar!
3.Descobre
Já me referi a este original espaço por diversas vezes, tendo sido a mais desenvolvida ""Descobre", mais uma vez", crónica publicada em 8/9/2013.
Depois das obras que lhe acrescentaram mais uma sala e a esplanada, ainda ficou mais apelativo. Continua com uma ementa original, uma boa selecção de vinhos (que também vendem para fora), , bons copos, armários térmicos e serviço eficiente e simpático.
Na minha última visita optei pelo cabrito no forno, o prato das 2ª feiras que estava uma delícia.
Acompanhou o tinto Qtª da Mimosa Reserva 2011 - ainda com fruta, bela acidez, especiado, notas de chocolate e café, taninos presentes mas domesticados, algum volume e final de boca. Nota 17,5.
Recomendo e tenciono voltar, sempre!

Sem comentários:

Enviar um comentário