quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Almoço com Vinhos Fortificados (25ª sessão) : 2 Madeiras do séc XIX de arrasar

Esta última sessão foi da responsabilidade do casal Marieta/José Rosa que ofereceu ao chamado Grupo dos Madeiras, reforçado com o seu filho João Rosa, vindo expressamente de Londres para o efeito, um almoço na Casa da Dízima, com vinhos da sua garrafeira.
Começámos com o branco Bouchard Pére & Fils Meursault Premier Cru Genevrières 2007 Domaine de Beaune, Côte d' Or Magnum (uf!, que nome tão comprido...) - nariz muito atractivo, bela acidez, fruta de caroço e citrinos, sedoso na boca, volume e final de boca consistentes. Nota 18+.
Acompanhou queijos (Azeitão, QtªMadre de Água, Fornos de Algodres e Castelo Branco), bacalhau fumado, presunto Joselito grande reserva e paio da presa).
Seguiu-se:
.Soalheiro Alvarinho Reserva 2010 Magnum - aroma intenso e complexo, fruta madura, belíssima acidez, notas amanteigadas, bom volume e final de boca longo. Muito complexo e um belo exemplar desta reputada marca. Nota 18+.
Maridou com uma série de tapas (crocante de farinheira de porco preto, biqueirão em vinagrete, terrina de fois gras, lombo de cachaço e lascas de bacalhau fumados e, ainda, diversos queijos) e uma excelente entrada de risotto de vieiras frescas em manteiga de lavagante.
.Soalheiro Alvarinho Reserva 2013 - mais fresco e mineral que o anterior, presença de citrinos, alguma acidez e volume de boca, persistência acentuada. Nota 18.
Também acompanhou o risotto.
.Henriques & Henriques Sercial Solera 1898 - frutos secos, vinagrinho, notas de iodo, caril e brandy, taninos ainda muito presentes, acentuado volume e final de boca muito longo. Complexo e sofisticado. A Madeira no seu melhor: tanta idade e tanta juventude. Inacreditável! Nota 19.
Este Sercial foi bebido com todo o respeito e pôs o palato a zeros.
.Qtª Vale Meão 2010 Magnum - aroma intenso e muito fino, acidez equilibrada, notas balsâmicas, taninos impressionantes, volume e final de boca notáveis. Ainda está para durar, mais uns tantos anos. Nota 18,5.
.Qtª Vale Meão 2009 - ainda com muita fruta e alguma acidez, menos complexo que o anterior, taninos mais discretos, bom volume e final de boca. Nota 18.
Estes 2 tintos fizeram um bom casamento com uma excelente bochecha de vitela, cozinhada a baixa temperatura, com chalotas, castanhas e ervilhas tortas.
.JPL Boal 1880 (Madeira do avô do Francisco Albuquerque) - aroma intenso, vinagrinho acentuado, notas de iodo e brandy, taninos intensos, volume acentuado e final de boca extenso. Todo ele de grande complexidade. Nota 19.
Este fortificado harmonizou muito bem com uns saborosíssimos brownies de batata doce e de alfarroba com gelado.
.Artur Barros e Sousa Bual Velha Reserva 1958 - nariz afirmativo, frutos secos, notas de vinagrinho e brandy, taninos suaves, volume e final de boca assinaláveis. Menos complexo que os seus irmãos mais velhos. Nota 18.
Boa comida, bons copos e temperaturas, serviço de 5 estrelas, a cargo da equipa conduzida pelo Pedro Batista. Só foi pena que o nosso amigo Adelino, mentor deste grupo, não pudesse estar presente, por motivos de saúde.
Mais uma grande sessão de convívio, comeres e beberes. Obrigado Marieta e José Rosa!

2 comentários:

  1. "Os Madeiras" merecem isto e muito mais. São gente de bem que aprecia o que temos de bom e que está sempre disponível para próximas etapas que seguramente aparecerão para manter o olfacto, palato e outros ...devidamente actualizados!

    E a esta propósito, aproveito para realçar o trabalho aturado que o enófilo militante (emérito elemento dos "Madeiras") tem vindo a fazer, realçando, em especial, a sua recente participação, no "Concurso de Vinhos - A Escolha da Imprensa 2016" onde - com todo o merecimento - fez parte do Júri que avaliou 43 vinhos.

    Por tudo isto Francisco, aqui fica um grande abraço.

    J.Rosa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado José Rosa pelas suas palavras. Mas eu é que tenho de agradecer os momentos inesquecíveis que vivi no almoço em referência.
      Um grande abraço.

      Eliminar