terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Jantar Sandra e Susana : o vinho no feminino?

O último jantar vínico do ano (61º) organizado pela Garrafeira Néctar das Avenidas, teve como principais protagonistas as produtoras e enólogas Sandra Tavares da Silva e Susana Esteban, que apresentaram vinhos feitos a quatro mãos e outros a solo.
O repasto decorreu na Casa da Dízima que apresentou, mais uma vez, gastronomia de qualidade, harmonizações impecáveis e um serviço de 5 estrelas sob a batuta do Pedro Batista.
Desfilaram:
.Qtª de Chocapalha Arinto 2015 - aroma intenso, presença de citrinos, fresco, acidez vibrante, notas amanteigadas, algum volume e um bom final de boca. Estagiou em inox e vai crescer nos próximos anos, a avaliar pelo 2009, recentemente provado. Gastronómico. Nota 17,5+.
Acompanhou camarão Katafi sobre lâminas de abacaxi.
.Procura 2014 branco - estagiou em barricas usadas de carvalho francês; nariz discreto, fruta de caroço, alguma acidez e gordura; volume acentuado e bom final de boca. Também gastronómico, aguenta pratos mais pesados. No ponto óptimo de consumo. Nota 17,5.
Maridou com bochechas crocantes de bacalhau.
.Tricot 2014 (Alentejo) - com base na casta Touriga Nacional e em vinhas velhas na Serra de São Mamede; aroma intenso, fruta vermelha, notas vegetais, acidez equilibrada, taninos presentes, algum volume e final de boca médio. A consumir nos próximos 2/3 anos. Nota 17.
.Crochet 2014 (Douro) - com base nas castas Touriga Nacional e Touriga Franca; nariz poderoso, notas florais, algum especiado, acidez q.b., taninos civilizados, volume e final de boca assinaláveis. Elegante e harmonioso. Melhor daqui a 5/6 anos. Nota 17,5.
Estes 2 tintos harmonizaram com um lombinho de borrego, puré de míscaros e legumes.
.Procura 2013 - com base na casta Alicante Bouschet e em vinhas velhas da Serra de São Mamede, estagiou 16 meses em barricas novas de carvalho francês; aroma intenso e envolvente, frutos vermelhos, boa acidez, especiado, notas de lagar, taninos ainda por domar, algum volume e bom final de boca.
Conflituou com a tábua de queijos (o Procura branco teria maridado bem melhor).
.Pintas Vintage 2014 - com base numa vinha com mais de 80 anos; muita fruta, taninos intensos, volume e final de boca consideráveis. Pura pedofilia bebê-lo agora.
Também acompanhou a tábua de queijos.
.Pintas 10 Anos - frutado, álcool ainda muito presente, taninos afirmativos, volume e final médios.
Acompanhou um  creme brullé com ragout de laranja.
Voltando ao título desta crónica, há ou não vinho no feminino? O vinho feito por enólogas tem características que o diferenciem do vinho elaborado por enólogos? Ou não? Quem souber que responda.

Sem comentários:

Enviar um comentário